terça-feira, 22 de dezembro de 2009

PASTORES GAYS NO BRASIL

Prezados leitores, recebi essa matéria por email e fiquei estarrecido! Trabalho com famílias e estava me preparando para falar numa entrevista hoje à noite, quando abri meu email e deparei-me com essa vergonhosa reportagem. Trata-se do pecado de Sodoma e Gomorra (a sodomia) pretendendo ser instituído no ciclo religioso evangélico, e tudo isso em nome do "amor". Quero lembrar-lhes que os maiores vendedores de livros evangélicos no mundo (Philip Yancey e Rick Warrem) toleram essa vertente (já postei sobre isso antes).

Os cidadãos, um deles advogado, de acordo com a matéria, celebraram um contrato simbólico homoafetivo. A reportagem começa dizendo: "Sou cristão e Gay. Jesus e a Bíblia são meus modelos de comportamento". Somente essa frase já é uma blasfêmia inominável. Os pseudo-pastores e fundadores da Igreja Cristã Contemporânea, citam no texto que estão certos que a Bíblia não condena os gays. Entraram ao som de "Nenhuma condenação há para aquele que está em Jesus". O relato de um deles é lamentável. Depois de ir a uma boate e assumir seu lado homossexual, entrou em crise e passsou a orar a respeito. Depois de muito orar ouviu uma voz em seu coração: "Sua homossexualidade é para sempre. Você nasceu assim"

Queridos, sinceramente prefiro não relatar os detalhes que seguem. Caso alguém queira a matéria, estarei pronto a enviá-la. Apenas fico imaginando como será a igreja e os valores que meus filhos encontrarão. Como será difícil manter os jovens nas igrejas, trabalhar com as famílias evangélicas e não-evangélicas, sabendo que existe uma igreja na cidade que prega que homossexualismo não é pecado, nem prostituição, nem adultério, nem pornografia, nem carnaval, nem... A medicina e a psicologia explicam tudo, a ciência tem as respostas para todas as deformações morais, tudo está ligado ao cérebro, aos hormônios ou aos temperamentos. Nada é pecado! Tudo é compulsivo!

Ouço como advertência a voz do Mestre: "Porventura encontrará fé na terra o Filho do Homem?".

Que Deus nos guarde.

Maranata. Ora Vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos!

terça-feira, 27 de outubro de 2009

USOS, COSTUMES E LIBERDADE NAS IGREJAS!

Sou cristão evangélico há 27 anos. Converti-me em 1982 na Assembleia de Deus do Templo Central, em Granja Portugal, um bairro de Fortaleza, capital cearense. Nessas quase três décadas na fé, já presenciei de tudo. Dentre as muitas coisas que acompanhei, está a evolução conceitual sobre os usos e costumes. Posso garantir que a igreja vive um momento de liberdade nunca visto antes. Liberdade que assusta os mais conservadores e faz tremer os mais radicais.

Lembro-me que no passado somente os membros participavam do culto de doutrina e somente os membros em comunhão podiam entrar no templo para tomarem a Ceia do Senhor. Apresentavam o cartão de membro com a assinatura do pastor confirmando sua permanência na comunhão com o corpo de Cristo, a Igreja. Vinham todos vestidos de branco. Era bonito. Também nas reuniões de oração não podiam entrar descrentes, nem o irmão disciplinado.

Nesses anos todos, assisti a maturidade da minha denominação rumo a uma visão mais equilibrada e próxima da Bíblia. Acredito que a globalização, a quebra de barreiras internacionais e a internet, que fez com que os pastores viajassem mais pelo mundo, e o intercâmbio com culturas como a americana, européia, africana e outras, fê-los refletir melhor sobre o assunto em questão.

Legalismo na Bíblia está vinculado à justificação pelas obras da Lei de Moisés. Os legalistas ou judaizantes ensinavam que além da fé em Cristo, os cristãos deveriam observar a circuncisão e a guarda do sábado (Carta aos Gálatas). Legalista, portanto, é aquele que se justifica pela Lei de Moisés ou busca obedecer aos 613 mandamentos apontados na Torá. Em nossos dias a expressão ganhou outra conotação nos lábios de líderes de denominações que não guardam esses bons preceitos.

O prezado leitor pode até ouvir alhures acerca de um pastor mais radical que disciplinou um membro por não guardar essas questões, mas o discurso da liderança atual não é esse. Hoje, em nosso mundo cada vez mais plural, a análise passa pelo ponto de vista da identidade denominacional, sem rejeitar a questão do pudor e da modéstia. Esses preceitos são bons se observados do prisma da piedade. Caso trate-se de obediência cega, por medo ou por imposição, perde a beleza de significado e riqueza emblemática. Os que os guardam somente por medo de perderem cargos e oportunidades nas igrejas estão fadados a viverem uma vida de mentira e hipocrisia. Portanto, devem ser observados por convicta vontade de viver piedosamente para agradar a Deus através da conduta interior e exterior. Explico: O uso dos vestidos, das saias, as chamadas vestes sociais e os rostos barbeados não representam santidade ou vida piedosa em si. Há pessoas que usam roupas de acordo com os bons costumes, mas infelizmente, trajam-se com demasiada sensualidade. Refiro-me às roupas curtas, decotes ousados e trajes tão apertados que mostram a silhueta do corpo e ressaltam as peças íntimas do vestuário masculino ou feminino. Essas revelam falta de pudor e despertam a libído de pessoas dentro e fora da igreja. Vestes caríssimas, que ostentam luxo e riqueza, também revelam um espírito, eu diria, pouco cristão, assoberbado, apartado da simplicidade que há em Cristo e dos primórdios da igreja: os primeiros discípulos e seus ensinamentos. Outros há que vestem-se adequadamente, mas vivem de modo dissoluto e mentiroso, com práticas imorais e inadequadas na igreja e na sociedade. Logo, a questão é mais profunda, tratando-se da observância da moralidade cristã.

Certa vez fui questionado acerca do assunto. Como percebi que o assunto era acerca de "doutrinamento", respondi que sou a favor da manutenção, mas que a observância deles não salvam. Acrescentei que a noção dos usos e costumes como garantia da salvação diminuiria o valor do sacrifício de Cristo na Cruz e que o conceito de não-observância vinculado à salvação levaria muitos outros cristãos à perdição eterna. Observei ainda que não temos o direito de condenar ao inferno os irmãos batistas, presbiterianos e outros porque não seguem esses princípios. Meu interlocutor não gostou muito da esposta, mas é a verdade que eu encontro na Bíblia Sagrada e defendo. Não condenamos os que não observam. Não evitamos os que pertencem a outras denominações. Recebemos bem em nossas congregações, apresentamos como irmãos em Cristo, mesmo os não-pentecostais, e os saudamos como irmãos com a Paz do Senhor.

A liberdade de expressão em nossos cultos é uma coisa fora do comum. Todos os cultos são abertos ao público, inclusive os de Ceia. Qualquer membro pode pedir para testemunhar e/ou cantar no púlpito. Por mais que o nepotismo seja uma realidade reinante, qualquer obreiro, independente da origem, do grau de estudo, pode chegar ao ministério, posto que Deus chama quem quer. Adoradores levantam as mãos, falam línguas, ficam em pé, sorriem e choram na presença de Deus; as mulheres pregam, ensinam, regem, lideram, coordenam e oram por enfermos; negros e brancos - brasileiros ou não - se abraçam; ricos e pobres de todos os cantos do país congregam, comungam, cantam e vivem como irmãos, filhos de um mesmo Pai; crianças, jovens e adolescentes têm seu espaço e seus próprios congressos.

O púlpito assembleiano está mais maduro (ainda há distorções, é verdade), os pastores (nem todos, pois somos muitos) estão mais solidários com o rebanho, mais preparados para lidar com o sofrimento humano, com a cidadania, com as famílias, com as necessidades mais básicas, tanto do ponto de vista espiritual, social, bíblico-teológico, como legal e humanitário. Nossos obreiros, hoje, são melhores instruídos e mais "teológicos" (não é unanimidade, pois alguns ainda resistem) e nossos membros são mais tolerantes.

Claro que minha igreja não é perfeita. A Igreja perfeita é a triunfante, invisível e universal que habitará o Céu. Mas, enquanto instituição, organização e igreja militante, temos melhorado muito e isso ninguém pode negar. Temos problemas? Sim. Temos dificuldades com o novo? Sim. Mas quem não o tem?! Ainda há muito o que ser feito. E que bom que temos o que crescer e melhorar!

Infelizmente o conceito de liberdade de alguns pregadores de mídia beiram a libertinagem. Longe de ser uma denúnca, como pretendem alguns, trata-se de um convite, um aliciamento com "toque" evangelístico e esclarecedor. Dizem eles nas entrelinhas: "Se estiver insatisfeito aí, vem para cá. Aqui tem liberdade". A eloquência de um senhor que resolveu disparar contra o que ele chamou de "legalistas", é fruto do desespero que tomou conta de seu ministério, devido a queda nas entradas financeiras, por conta de um certo desvario ao pedir R$ 900,00 na TV e a reação contrária dos telespectadores às aspirações do tele-evangelista. O tiro saiu pela culatra!

Liberdade religiosa não se resume à observância dos usos e dos costumes. Podemos falar de liberdade de expressão, de igualdade, de acesso, de fraternidade nas igrejas e até liberdade para rejeitar heresias americanas importadas para nossos púlpitos. O assunto é polêmico. Não sou o dono da verdade. Todos têm o direito de discordar e de se manifestar através de comentários aqui ou em outros espaços. Sou cristão, sou livre. Sou evangélico assembleiano e não estou preso. Sou de Cristo, vivendo em plena liberdade. Minha liberdade não custou R$ 900,00. Eu poderia dizer, para soar moderninho, que minha liberdade "não tem preço", mas minha liberdade tem preço sim: O Preço do Sangue de Jesus!

Maranata. Ora Vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

PADROEIRA DE QUEM?!

Dia 12 de outubro ficou conhecido no calendário oficial dessa terra de predominância católica como o dia da Padroeira do Brasil. Padroeiro ou padroeira é um santo a quem é dedicado uma localidade ou um povo e a quem esse povo reivindica ou pede proteção. Fico indignado (aliás, sou indignado com muita coisa!). Como um país que se diz laico - pelo menos até à nova investida do Papa junto ao Lula e ao Congresso (que, diga-se, tem maioria absoluta católica e aprova o que quiser em termos de religião) - pode paralisar suas atividades por conta de um feriado religioso?! Se não fosse o famigerado dia das crianças e esse feriado seria uma data amarga para a igreja evangélica que não tem data para comemorar em um país onde quem manda mesmo é a cúpula romana.

Se somos cerca de vinte milhões de assembleianos (todos os ministérios) e se chegamos ao impressionante número de cinquenta milhões de evangélicos (todas as denominações), como querem alguns, onde está a nossa força, nossa representatividade na prática? Sabemos que "o maior país católico do mundo" como prega a igreja católica e os católicos que gostam de serem enganados, é na verdade um país sincretista: católico-espírita e agora hinduísta (a Globo descobriu o novo Caminho das Índias).

Causa-me constrangimento ver a Rede Globo de Televisão fazendo menção diuturna às festas católicas e nenhuma nota sobre as atividades do povo de Deus. Mostram imagens de esculturas feias que são abominação aos olhos de Deus (Ex. 20.3ss; Salmo 115; Is. 42.8 e muitas outras passagens) desfilando pelas ruas e as pessoas fazendo um esforço sobre-humano para tocar nessas abominações. Milhões vão às ruas para adorarem um falso deus, um intercessor de mentira, um santo canonizado por interesses puramente políticos e estratégicos da Cúria de Roma.

Quando eu nasci me disseram que eu era católico, fui batizado sem saber o que significava aquele gesto, recebi nome de santo e permaneci católico. A maioria de nossos conterrâneos são católicos assim, sem saberem o porquê de serem. Estive em vias de entrar no seminário para ser Padre e quase abracei a vocação. E tudo isso por conta de uma catolicidade que eu nunca abraçara de fato.

No Brasil quase não se prega mais contra a idolaria, mas foi assim que a Igreja Evangélica Assembleia de Deus cresceu nesse país. Nossos primeiros pais foram apedrejados e perseguidos a ponto de alguns serem presos e mortos. Desbravaram o sertão, a selva amazônica, as regiões ribeirinhas, bem como os grandes centros urbanos, e nos entregaram uma igreja forte e saudável. E hoje o que estamos fazendo com o Evangelho? Por que não pregamos contra os ídolos? Elegemos pregadores segundo os nossos gostos e ficamos diante da televisão apreciando, em muitos casos, uma verborragia barata, vazia, oca, um número enorme de pregadores prolixos de mídia, que nunca colocaram o pé na lama de uma favela, nunca passaram uma noite debaixo de uma árvore, nunca "comeram" o pó da estrada de terra, nunca abraçaram uma criança desnutrida e nunca pregaram contra a idolatria.

O Brasil é, sem dúvida, um dos maiores países idólatras do mundo, perdendo talvez somente para a Índia no Oriente. A Grécia dos tempos de Paulo, a Atenas de Atos dos Apóstolos 17, não eram diferentes. Somente para lembrar que Paulo e alguns poucos discípulos cheios do Espírito Santo, mudaram a história da cidade de Éfeso, o Evangelho esvaziou o enorme templo da grande deusa Diana e alvoroçou toda a região da Ásia. A questão de Demétrius era que Paulo pregava e ensinava que não são deuses os que são feitos por mãos humanas (At.19).

Não aceito esse feriado, por isso ontem trabalhei o dia inteiro. Abomino as mentiras que a Igreja Católica me ensinou e por elas quase me levou ao Inferno. Louvo a Deus pela vida do irmão Antônio de Pádua, um jovem, que sem teologia e sem estratégia de crescimento, evangelizou-me na Escola e mostrou-me na Bíblia que "o ídolo nada é". Desde aquele dia 12 de setembro de 1982 que a Verdade prevaleceu em minha vida e desde esse dia eu abomino a idolatria. Dia 12 de outubro no Brasil deveria ser dia de oração e manifestação pacífica da igreja evangélica, dizendo que não aceita esse calendário religioso com privilégio católico. Onde está o feriado nacional do Dia da Bíblia? Onde está o feriado nacional do Yom Kippur dos judeus e os feriados budistas, mulçumanos, onde estão?! Alguém pode argumentar que somos minoria, mas a questão não é de maioria ou minoria, e sim de laicidade, de separação entre Estado e Igreja, do Estado não assumir poder religioso e a Igreja não assumir poder temporal ou político.

Maranata. Ora vem Senhor Jesus!

Deus abençoe a todos.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

QUE IGREJA NOS CONVÉM SER?

Em Mateus capítulo 17 (Marcos 9 e Lucas 9) temos a passagem que as sociedades bíblicas nos ensinaram a chamar de "a transfiguração". Diz o texto que Jesus subiu a um alto monte e lá transfigurou-se, foi transfigurado ou as duas coisas (as muitas versões da Bíblia não concordam entre si se Ele sofreu a ação, se foi agente ou se ambas as coisas). Embora os teólogos chamados liberais, como Rudolf Butmman e outros, não aceitem essa narrativa como verdadeira, o certo é que a Palavra relata a transfiguração em três dos quatro evangelhos, o que nos dá base para um testemunho verdadeiro. As Escrituras dizem que o testemunho de dois é verdadeiro. Não me refiro ao testemunho não de Mateus, Marcos e Lucas, mas de Cefas e dos irmãos Boanerges.

Quanto ao local, alguns alegam tratar-se do Monte Hermom, outros defendem ser o Tabor, todavia, a presença de uma base, uma guarnição militar romana nesse monte, inviabilizaria, segundo alguns estudiosos uma manifestação dessa natureza. Seja no Hermom, no Tabor ou em outro monte, os evangelistas afirmam que o Senhor subiu levando consigo Pedro, Tiago e João, deixando os demais ao pé do monte. Fosse alguém envolvido com o G12 (não é o meu caso) diria que o Mestre subiu com o G3 e preferiu deixar o G9 na base.

Quanto à natureza da manifestação, os teólogos se dividem entre realidade e visão. Consta nos textos sagrados que Jesus de Nazaré se transfigurou (ou foi transfigurado) ante os olhos sonolentos (Lc. 9.32) dos três discípulos, que ao despertarem se depararam perplexos com o que viram. Os três viram, portanto, não parece uma visão simplesmente, mas uma experiência comum aos três. Contemplaram Jesus transformado em glória e viram, juntamente com Ele, Elias e Moisés falando acerca de sua morte na cruz.

Os convidados ficaram admirados com tanta glória no rosto, nas vestes do Senhor e com a aparição dos representantes da Lei e dos Profetas. Pedro, ao tomar a palavra deu indicação de que descer seria assunto fora de questão: "Senhor, bom estarmos aqui. Se queres, farei uma casa para ti, outra Moisés e outra para Elias". E Marcos acrescenta: "mas ele não sabia o que dizia porque estavam carregados de sono e aterrados" (Mc. 9.6). A Bíblia King James, a famosa versão inglesa do Rei Tiago, traduz casa por "tenda" o que possibilita a idéia de tabernáculos ou pequenos templos. Assim, Pedro estava pensando em Jesus nos mesmos termos de Elias e Moisés, ou seja, um grande líder, um profeta somente e não como "o Cristo Filho do Deus vivo" que havia confessado em Mateus 16. A nuvem luminosa, tão contestada pelos liberais, e a voz do Pai apontam para a singularidade e superioridade do Filho. Só dependeria do consentimento do Mestre e eles ficariam ali em perpétuo êxtase.

Enquanto isso na base do monte, um pai desesperado trazia seu filho endemoninhado, atormentado desde a infância por um espírito que o deixara surdo e mudo, que as vezes o lançava na água e outras vezes no fogo para o matar. O grupo que não subiu ao monte não conseguiu expulsar o demônio, ou seja não conseguiu dar resposta às necessidades daquele pai aflito. Essa era a crua realidade da comunidade ao redor do monte. Gente pagã, cheia de misérias, sob o domínio dos espíritos imundos, presas em cadeias espirituais e ignorantes quanto à realidade do Reino que se manifestara tão próximo, no topo. A igreja dos nove não tinha poder ou autoridade para expulsar o demônio, mais do que isso não tinha resposta para os problemas da sociedade, das comunidades que viviam naquela região.

Finda a manifestação em glória nas alturas e findo o êxtase de Pedro e companhia, Jesus trouxe a igreja do monte para a base com o fim de mostrar-lhes a realidade que os esperava. Enquanto Pedro e os irmãos Zebedeus se deliciavam com a glória, com a visão, com o espetáculo, havia uma igreja três vezes maior na base, disposta a trabalhar, a mostrar serviço, mas sem poder ou visão do Reino que desse resposta às angústias do ser humano de seu tempo.

Ao trazer a igreja de cima para a base, Jesus quis mostrar-lhes uma outra visão, uma visão do mundo humano real e suas necessidades. O Mestre pretendia ensinar-lhes (e a nós) que o cristão não vive somente de êxtase, de oração, de "reteté" ou "repleplé", que vida cristã não se dá apenas no monte da oração, mas que a igreja que sobe ao monte deve descer com poder, com glória, compartilhar esse poder com as almas e atender as necessidades espirituais do mundo que a cerca.

Que igreja temos sido e com qual modelo nos identificamos? Igreja do monte embevecida com as visões, com as manifestações gloriosas e acomodada aos milagres de Elias e Moisés ou igreja da base, sem poder e sem resposta para os que batem a sua porta? Somos igreja de Cristo ou estamos presos aos modelos de espiritualidades do passado como Pedro em relação aos profetas e lideranças do Antigo Testamento? Nossos sermões são cristocêntricos e cristológicos ou voltamos às referências exclusivas da Lei para justificar o que nos convém e desprezamos o contexto que não nos interessa por não se enquadrar no perfil de igreja que idealizamos? Nossas pregações respondem às carências e necessidades espirituais do mundo que "jaz no maligno"? Temos respostas para as angústias do homem moderno ou ficamos nos templos batendo o pé no chão e gritando: "Terra! Terra!"?

Que igreja nos convém ser?! Temos carisma, estamos desejosos de trabalhar para e no Reino, mas estamos perdendo a identificação com a massa pecadora ao nosso redor e com as classes menos favorecidas. Inclusive por isso não temos respostas adequadas para a marginalidade, a injustiça, a violência, a corrupção, a prostituição, o homossexualismo, entre outras questões morais e sociais que poderiam ser minoradas pela presença de um evangelismo mais presente, eficiente e dinâmico. Estamos deixando de assimilar a linguagem da juventude e seus problemas, por exemplo, porque perdemos o contato e deixamos de acompanhar os jovens. Deixamos isso aos cuidados de um responsável que chamamos de coordenador, líder, presidente ou pastor de jovens. Estamos perdendo a visão das questões da idade dos adolescentes porque lhes demos um "pastor" (ou pastora) para os acompanhar. E assim, deixamos a visita para uma equipe, o evangelismo para outra, enquanto a música é problema somente do maestro ou regente e a escola dominical do superintendente igualmente. Até usamos as palavras do apóstolo Pedro em Atos 6.3,4 para justificarmos nossa inércia e indiferença quanto ao cuidado pastoral: "Escolham dentre vós sete varões (...), nós ficaremos na oração e no ministério da Palavra" (tradução livre).

Que igreja nos convém ser?! Convém ser Igreja que ora, que sobe ao monte, que tem visões, mas que entra na casa de Cornélio (Atos 10); que defende a realidade e atualidade dos dons (I Co. 12); que prega o batismo como essencial revestimento de poder (Atos 19) na tarefa do evangelismo e que ensina a busca dos dons espirituais (I Co. 14), mas que se identifica com as necessidades do homem comum nas ruas, dos vizinhos, dos pobres e dos ricos, dos negros e dos brancos, dos religiosos, dos endemoninhados e dos religiosos endemoninhados, dos enfermos e dos sãos, e que prega o superioridade do amor (I Co. 13). Convém ser Igreja para todos, sem discriminação, sem preconceitos, sem privilégios, sem pompa de carismatismo e superioridade. Igreja que vai à favela ganhar almas, alimentá-las com o pão do céu, mas também com o pão de trigo, que cura os enfermos, os coxos, os cegos, pelo poder do sinal realizado através da fé na autoridade do Nome de Jesus (Mc. 16.15,16) e que cura as relações de família, que ajuda a levantar e andar (Atos 3.7), a abrir os olhos para a nova realidade espiritual trazida pela ação da Graça. A propósito, a Igreja de Jerusalém era dirigida pelos mesmos representantes da igreja do monte e da base (exceto Judas Scariotes). Não é que o modelo apresentado por Jesus deu certo! E não é que eles aprenderam a fazer e viverem como igreja (Atos 4.32-35)!

E nós? Que igreja nos convém ser?!


Maranata. Ora vem Senhor Jesus!

Deus abençoe a todos.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Deus, o Tempo e a Igreja

"Mas, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e que mil anos, como um dia" (II Pedro 3.8).

A discussão sobre o fato de Deus estar ou não sujeito ao tempo tem causado grande alvoroço nos arraiais evangélicos ultimamente. Alguns "doutores" formados em academias humanistas, que imaginam-se teólogos, têm trazido à baila um assunto por demais definido no "canon" protestante-teológico-ortodoxo há séculos.

A Bíblia mostra claramente que Deus é Eterno e que Ele criou o tempo para os filhos dos homens (Gn.1.14 e Ec.3.1-10). Eternidade no exato sentido da palavra cabe somente à Divindade. Conceitos de eternidade do homem são imperfeitos e incompletos. Podemos dizer que Deus "colocou a eternidade no coração do homem" (Ec. 3.11), mas nenhuma criatura pode receber e perceber a eternidade como Deus.

Há no grego três expressões que nos ajudam a compreender melhor o significado de nosso vocábulo tempo:

Aionios - Tempo que não pode ser medido (Sl. 90.2; Sl.41.13) .
Kronos - Tempo que pode ser medido (Gn. 1.14; Ec. 3.1-11).
Kairós - Tempo de oportunidade (Mc.1.15; Gl.4.4).

Paul Thillic, em sua Teologia Sistemática, apresentou kairós como tempo de crise e tempo de decisão. Kairós seria a intervenção de Aionios em Kronos. É quando Deus abre uma porta em época de crise para intervir na história em favor de seu plano salvífico e por seu povo. É tempo de decisão!

Deus é eterno e, portanto, atemporal. Ele é o Criador de todas as coisas visíveis e invisíveis, inclusive do tempo. Todavia, Ele não está sujeito ao tempo e não sofre influência dele, nem vive dentro de uma expectativa humana. Para vergonha dos defensores do teísmo aberto, Deus conhece o futuro, sabe o fim das coisas e da história desde o começo e não há nada no passado, presente e futuro que Ele não saiba.

A Igreja pode ilustrar nossa percepção desse argumento. Em algum tempo na eternidade, Deus planejou criar a Igreja. Prometeu sua criação nos profetas e a ilustrou na congregação do deserto. Quando o Verbo encarnou tornou possível sua existência e anunciou sua criação: "Edificarei a minha igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela". Fundou-a na Cruz e o Espírito Santo a inaugurou historicamente no dia de Pentecostes em Jerusalém, em kronos, igreja militante. O Espírito deu subsídios para sua manutenção enquanto Corpo de Cristo.

Poderíamos citar o Imperador Nero, o filósofo Voltaire, o beatle Jonh Lenon e muitos outros que tentaram impedir a marcha do Cristianismo e da Igreja ou duvidaram de sua capacidade de resistência histórica (para não usar kronos outra vez). Todos eles passaram, a igreja não e ao contrário das predições, a igreja invisível continua forte.

Quando Deus planejou a Igreja na eternidade (Ap.13.8) Ele já sabia de sua trajetória e triunfo: "as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mt.16.18). Sobreviveu às perseguições do império romano, ao papismo, à noite de São Bartolomeu, ao stalinismo, à política de Mao Tse Tung, ao comunismo soviético e ao castrismo; resistiu ao gnosticismo, ao ebionismo, ao arianismo, ao pelagianismo, entre outros e hoje resiste frente à mais recente heresia dos tempos modernos: a abertura do teísmo.

Breve os céus se abrirão e novo kairós se dará. Tempos de crise se anunciam e o aionios invadirá o kronos para levar a igreja invisível, resistente, militante, para a eternidade, o tempo de de Deus: Igreja Triunfante.

Deus abençoe a todos!

Maranata. Ora vem Senhor Jesus!

sábado, 5 de setembro de 2009

BETESDA DE FORTALEZA X RICARDO GONDIM

Como bom cearense que sou, conheço um pouco da trajetória do Pr. Ricardo Gondim Rodrigues e a dignidade da família Siqueira na capital do Ceará. Quando me converti, faleceu o Pr. Ademir Siqueira - um gigante! Não nego que fui influenciado pelo Gondim pregador e que minhas primeiras pregações tinham muito do pensamento antigo do Ricardo. Hoje o vejo um tanto distante do evangelista inflamado e, já naquela época, profundo em suas mensagens, que faziam tremer as igrejas em Fortaleza, fosse Templo Central, Bela Vista ou Montese. Gondim foi na minha juventude, o "príncipe dos pregadores" do nordeste.

Conheço o Ricardo. Visitei sua igreja em Fortaleza uma vez e aqui em São Paulo frequentei sua residência, juntamente com um grupo de amigos recém-formados no IBAD, Pindamonhangaba. Dou testemunho de sua retidão e probidade. É daqueles que vivem o que pregam. Ainda o admiro, principalmente por sua coragem de dizer o que pensa e, vez por outra, leio seus artigos. Todavia, penso que o profeta destemido, inflamado, cheio do Espírito, deu lugar ao "filósofo", ao pensador crítico, ao reflexivo profundo e, infelizmente, aquele que foi um modelo de pastor cheio de intrepidez, eloquência e lucidez, que embalava os sonhos de jovens pregadores como eu nos anos 80, despontou no cenário nacional e cresceu para depois diminuir muito. Seu envolvimento com o Teísmo Aberto não me faz mudar de opinião: O TEÍSMO ABERTO É HERESIA!

Resolvi publicar esse post para conhecimento dos leitores e também porque penso que todo homem tem o direito de se defender. No artigo abaixo, depois de muito tempo, Gondim quebra o silêncio, resolve falar sobre o que aconteceu naquele dia na Aldeota, relatando seu sentimento com relação àquela que foi "a mais vergonhosa" noite de toda sua vida e o que chamou de lado nefasto da religião.

O LADO NEFASTO DA RELIGIÃO.


Aquela noite restará como a mais vergonhosa de toda minha vida. Meu amigo poeta, Allison Ambrósio, embicou o carro na direção do estacionamento da igreja Betesda quando vi a pequena multidão de aproximadamente 90 pessoas com placas, faixas e cartazes, reivindicando a "reta doutrina".

Um pastor os articulava, ensinando-os a cantar e gritar. A palavra de ordem era que eu fosse expulso sumariamente da igreja Betesda de Fortaleza. Enquanto aguardávamos que o portão se abrisse, contemplei rostos crispados de ódio, dedos em riste, alguns apontados na minha direção; todos exigiam que eu me retratasse das “heresias” em que estava metido.

Outros batiam placas no pára brisa do carro forçando-me a ler sobre o duro castigo que viria sobre mim pela “arrogância de diminuir os atributos divinos”
Naqueles poucos metros de corredor, senti-me numa ante-sala do inferno; cheguei a ouvir o ranger de dentes.

Trataram-me como um criminoso trazido à delegacia em que a turba pede linchamento. Eu procurava não acreditar no que via e ouvia, porém, sabia que tudo era cruelmente verdadeiro.
De repente, a vergonha suplantou a tristeza
.
Fui tomado pelo constrangimento, que um amigo denomina de “vergonha alheia”. Quase chorando, imaginei os que passavam pela rua, associando aquela bagunça com o Evangelho de Jesus de Nazaré.

Pensei comigo: “se os conteúdos dos discursos, arrazoados e doutrinas dos evangélicos geram aquele tipo de gente, seria uma infâmia ligá-los ao meigo Carpinteiro". No meio daquele embaraço bárbaro (orquestrado sim, mas não menos ordinário ou mal-educado) consegui me recompor, repetindo para mim mesmo: “Ricardo, não se espante, você está diante do lado mais nefasto da religião”.

Realmente, o lado mais desgraçado da religião é aquele que defende a “reta doutrina” e ao mesmo tempo gera ódio, obscurantismo e intolerância. Por muito tempo nutri uma visão idealista dos religiosos.
Acreditei que os corredores das igrejas estavam povoados de pessoas bondosas e amáveis. Mas, enganei-me. Naquela quinta-feira descobri como a defesa da “verdade” religiosa estranhamente cria sentimentos implacáveis. Ela desfigura a ternura do olhar e faz as pessoas se comportarem como verdugos.

O lado mais patético da religião é quando a linguagem piedosa camufla a sordidez do caráter. Em Fortaleza, fui obrigado a ouvir discursos do tipo “o pastor Ricardo é um referencial para minha vida”, quando eu tinha em mãos uma ata assinada em que a mesma pessoa me rotulava de herege.
O puritano porta-voz do grupo não sabia que eu tivera acesso aos autos que exigiam minha expulsão sumária da Betesda de Fortaleza. Sinto asco de seu olhar meloso que tentava disfarçar a mais abominável traição. Quanta desfaçatez existe nas falsas santidades; quanta mentira se mistura nas corretas afirmações doutrinárias.

O lado mais grotesco da religião é sua obsessão pelo poder. Em Fortaleza, alguns pastores instrumentaram outros prometendo que seriam os “salvadores” da igreja. Como se embriagaram de messianismos, viram que precisariam conquistar o poder institucional. Mas antes teriam que me demonizar. Alimentaram o ego de um auto intitulado “apologeta” que se prontificou a demonstrar a plausibilidade de me descartarem na primeira lata de lixo; convocaram um incendiário para espalhar boatos pela cidade (falaram coisas esdrúxulas, do tipo: a igreja Betesda de São Paulo distribui camisinha entre seus jovens, porque não reprova promiscuidade; que eu retornara de uma viagem aos Estados Unidos (quando?) ensinando que podemos beber, fumar e nos prostituir); consultaram um advogado sobre como se apropriar do nome da Betesda; e, por último, convocaram o piquete vergonhoso na porta da igreja.

A sordidez foi tão baixa, tão mesquinha, que fico sem coragem de encarar meus amigos. Entretanto, não estava em jogo a defesa da verdade, nem a defesa da fé, mas a apropriação de uma glória que jamais cobicei.

O lado mais monstruoso da religião é a ganância embutida nas proclamações de fidelidade. Naquela fatídica noite, ficou claro que o dinheiro ainda dá as cartas e o jogo da religião fica bruto. O lucro fácil e a possibilidade de ganhar um bom salário com um mínimo de capacidade intelectual, um mínimo de preparo acadêmico, um mínimo de traquejo social, é o calcanhar de Aquiles da religião.

Vejo médicos e professores universitários com doutorado com salários mais baixos do que os pastores tiram da tesouraria de suas igrejas, infelizmente.

Na Betesda não foi diferente do que acontece em muitos ambientes religiosos. Alguns dos dissidentes sabem que não possuem cacife para tocar seus “sonhos pelo Reino de Deus”, por isso, lutaram para ficar com o nome Betesda, que em Fortaleza é uma marca de credibilidade e honradez. Quantas vezes precisamos tourear as suas reclamações por melhores salários, quantas vezes denunciamos que nossos pastores abandonavam reuniões para servirem de motorista para seus filhos na hora do colégio ao meio-dia, quantas vezes mostrávamos que era indigno comer o pão da preguiça. Alguns acreditaram que poderiam finalmente desfrutar uma vida mais mansa, sem o ônus de serem mentoriados.

O lado mais triste da religião é que ela se imagina perfeita, mas causa constrangimentos inomináveis. A família do falecido Ademir Siqueira nunca fez parte da igreja Betesda. Seus pais jamais se desligaram da Assembléia de Deus do Templo Central e só muito esporadicamente freqüentavam qualquer culto nosso. Sua viúva mudou-se para os Estados Unidos, casou e nem nas férias visitava a Betesda.

Apenas uma irmã era membro da comunidade. Será que os pastores que insuflaram (e talvez pagaram) essa família para colocar uma nota no jornal, não perceberam que davam um tiro no pé?

A instituição Betesda é dirigida por um colégio de pastores, tem diretoria e estatuto e nenhuma família tem qualquer prerrogativa de “oficializar” o desligamento da igreja. Tal pretensão saiu pela culatra, condenando a família de um homem já morto há mais de um quarto de século a constar nos anais da pequena história dos evangélicos como protagonista de uma bobagem sem tamanho.

O lado mais satânico da religião é que ela fere os pequeninos. Quantas pessoas foram feridas e quanta dor causada pela sanha incontida do poder. A volúpia do messianismo que defende a ortodoxia como guardião do templo, deixa rastros ignominiosos.

Jamais conseguiremos contar o número de pessoas feridas, decepcionadas e desviadas da fé só porque um grupo de pastores não teve a grandeza de abrir mão de projetos pessoais em nome da paz.

Minha ferida quase foi letal, mas fui curado pelo carinho de centenas de betesdenses queridos que me abraçaram carinhosamente na noite seguinte, sexta-feira. Minha decepção quase foi total, entretanto, o Espírito de Deus me encheu de sua virtude, devolvendo-me à estrada de minha vocação.

Não desisto da Betesda cearense e, teimosamente, continuarei procurando alinhar minha vida ao Evangelho de Jesus de Nazaré. Quanto aos corredores desgastantes da religião, só tenho uma expressão: Tô fora!


Soli Deo Gloria.
Fonte: http://www.ricardogondim.com.br/Artigos/artigos.painel

Deus abençoe a todos.

Maranata. Ora vem Senhor Jesus!

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

A TEOLOGIA POBRE PRECISA DE UMA REFORMA URGENTE

"Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam corrompidas as vossas mentes, e se apartem da simplicidade e pureza devidas a Cristo" (II Coríntios 11.3).
















Catedral de Wittemberg

Vivemos momentos de crises diversas em nosso país: econômica, educacional, habitacional, religiosa, entre outras. Mas, há também a crise teológica. Nossa pobre nação tupiniquim não consegue formar teólogos ou teologias que subsistam a crises ou respondam às angústias do brasileiro do século XXI. Sofremos um período de verdadeira sequidão intelectual e teológica como nunca se viu antes. Nossos modelos referenciais nessa área falharam e seus conceitos de moralidade faliram, outros se deixaram levar pela teologia-filosofia-maligna que nega a Soberania de Deus.

A pobreza teológica é visível também em muitos de nossos cursos teológicos, cheios de liberais e neoliberais com suas idéias curtas acerca da Divindade. Também paupérrimos são os conservadores ortodoxos "sistematicamente" bitolados em sua visão de um Deus nada criativo, quase mórbido. Nem um nem outro produzem uma teologia realmente livre, brasileira. Recorrem ao charlatanismo americanizado em livros que nada dizem de novo. São todos compiladores profissionais, copiadores de idéias alheias. Maldita seja a teologia que não produz resultados no ou para o Reino de Deus. Malditos sejam os teólogos de carteirinha que exibem diplomas em seus escritórios ou gabinetes e nada têm de piedade em suas vidas. São religiosos com as mentes treinadas para elaborar sofismas, enriquecem a custa da miserabilidade intelectual de nosso povo evangélico.

Cazuza, cantor e compositor profano, cantou certa vez "meus heróis morreram de overdose/ meus inimigos estão no poder/ ideologia/ eu quero uma pra viver". Causa-nos perplexidade a mudança de rumo daqueles que poderiam ser uma voz profética em nossa nação. Há aqueles que se aproveitam do triste momento histórico-teológico para esbravejar na televisão sua salada em forma de pregações, outros se valem da tal "teologia" doentia da prosperidade, da confissão positiva, do triunfalismo, do misticismo, do fetichismo; valem-se da maldição hereditária, culpam os demônios pelos seus próprios pecados, elaboram teologias pragmáticas-mercantilistas e outros que começaram na base da comunidade, identificando-se com os pobres - leia-se ovelhas -, tornaram-se burgueses elitistas e pastores de si mesmos. São pastores-filósofos, acadêmicos frios e esquisitos, sem noção das necessidades do rebanho, perderam a visão, a compaixão e a simplicidade que há em Cristo (II Co.11.3).

Meu conceito de teologia livre não é uma teologia sem hermenêutica, sem tradição histórica, sem curso teológico, nem política-libertadora, mas sim teologia simples – não simplória, ingênua – bíblica, com unção do Espírito, teologia pé-no-chão, expressão do Amor e da Soberania de Deus igualmente, teologia pedro-joão-paulo-tiago-ágabo-timóteo-silas-maria-áquila-priscila, teologia primitiva, com sinais genuínos do Reino em nós, sem floreios, sem as amarras do intelectualismo acadêmico ou as ataduras do conservadorismo indolente, sem escritório ou gabinete; comprometida com o rebanho, com o pastoreio de almas, com o Reino de Deus aqui na Terra e com a comunidade. O enriquecimento teológico virá quando voltarmos à Bíblia a exemplo dos reformadores e deixarmos o neo-escolasticismo reinante em nossos cursos e em muitos púlpitos ditos evangélicos. Teologia livre não tem opção preferencial por classes, nem se fixa na pessoa do rico ou em sua conta bancária. É livre, transcende barreiras, sai do templo, vai às ruas, às praças e areópagos da vida, promovendo mudanças espirituais, éticas e sociais.

Pr. Guedes

sábado, 8 de agosto de 2009

PASTOR AMERICANO PROMETE UNÇÃO FINANCEIRA ESPECIAL POR "APENAS" R$ 900,00 NA TELEVISÃO BRASILEIRA.

O chamado mercantilismo evangélico não tem limites. Onde vão parar os absurdos dos tele-evangelistas que não cansam de pedir dinheiro descaradamente na mídia?!

Ao ligar a TV no sábado pela manhã deparei-me com o programa de um senhor que está prostituindo a imagem da verdadeira Assembleia de Deus ao trazer um pregador americano renomado para fazer propaganda de uma bíblia que traz uma suposta unção financeira. Bíblia essa que esse pastor lançou no Brasil.

Sem corar o "profeta" americano, após falar acerca da prosperidade em meio à crise financeira mundial, propôs uma oferta voluntária de "apenas" R$ 900,00 e condicionou o cumprimento de todas as promessas de Deus na vida de Seu povo ao "semear" esse valor no "ministério" desse senhor, enquanto o telefone não parava de aparecer na tela com pessoas atendendo, inclusive de 1:30h às 6:00h da manhã. Logo em seguida o apresentador explica que as ofertas poderão ser feitas de três maneiras, expondo o número das contas correntes nos bancos.

Para justificar o "valor" do cumprimento das promessas, o pastor-apresentador diz que a oferta precisa ser voluntária, por amor, senão não tem valor. Ou seja, se não for movido por fé na "palavra profética" não receberá o cumprimento. Astuto, o pastor que é da Assembleia de Deus, fez questão de fazer referência que a palavra não foi pronunciada por ele, mas pelo profeta: "se você creu na palavra profética desse servo de Deus...", o que é uma forma de dizer indiretamente: "Eu não tenho nada com isso, foi ele quem disse". Já não é a primeira vez que ele traz "profetas" de outros ministérios e convenções para justificar que a idéia não partiu dele, mas de uma revelação especial de Deus para seu ministério através de outrem. Assim ele tem argumento para se justificar diante da convenção a qual pertence.

Em determinado momento de sua exposição, o americano disse: "Se você fizer essa oferta voluntária no ministério de nosso irmão (...) todas as promessas de Deus para sua vida serão cumpridas até 1o. de janeiro (...) Deus vai mandar uma unção financeira especial para sua vida". É vergonhoso vincular a bênção de Deus a um valor estipulado para oferta! É uma vegonha! Esse senhor vem lá da América com seus dedos cheios de anéis, trazer uma mensagem que se diz profética para uma nação que tem um salário mínimo miserável, onde seria necessário para boa parte dos fiéis juntar dois ou três meses de salário para ofertar o valor proposto. A idéia que se tem é que quem não tem esse valor não será abençoado com a "unção especial" revelada pela "palavra profética" trazida pelo "homem de Deus". E mais: É seletiva, posto que somente os que têm tal valor (eu não tenho) serão abençoados, repito: com o cumprimento de todas as promessas de Deus para sua vida. Que vergonha! Até quando a Assembleia de Deus vai ficar envergonhada nos sábados pela manhã?! Não existe tal coisa. Não existe uma unção financeira especial. Isso é linguagem de mídia para arrecadar fundos da forma mais desavergonhada.

O leitor estaria disposto a dar tal quantia para ver o cumprimento de todas as promessas para sua vida até 1o. de Janeiro de 2010? E o que dizer de II Co. 1.20 que diz que "todas quantas promessas há de Deus, são nEle sim; e por Ele o Amém, para a glória de Deus, por nós"?! Não critico o fato de pedir oferta em si, mas o modo como se faz, subestimando a inteligência do povo de Deus.

Sabe o que é pior? Uma multidão de pessoas incautas estão pegando agora o telefone, movidos por pura emoção e não por fé, estão se comprometendo com esse ministério e deixando de ofertar em suas próprias congregações. Pessoas que nunca deram uma oferta de R$ 100,00 ou R$ 200,00 para a obra missionária em sua igreja, agora levados pelo poder que a mídia exerce e pelo apelo de um homem que se diz falar em nome de Deus, estão enviando, com sacrifício, "uma oferta de amor" para enriquecer ainda mais os cofres do ministério em questão.

Esse senhor exerce um certo fascínio sobre boa parte dos evangélicos com suas mensagens. São levados pelo ímpeto com que fala "as verdades" (imitando o apresentador Carlos Massa, o Ratinho), com raiva, indignação, gritando contra tudo e contra todos, usando versículos bíblicos fora do contexto para justificar o proposto em seus sermões sem unção. Usa a Bíblia para dizer: "Aqui tem café no bule" e por falta de opção, o povo assembleiano e os evangélicos pentecostais de um modo geral tendem a elegê-lo como uma "voz profética" no Brasil. Eu desconheço sua autoridade e não reconheço nele essas qualidades, mesmo porque profeta de Deus não pede dinheiro descaradamente.

Alguém pode contra-argumentar que ele está pedindo, não está roubando e dá quem quer. É verdade, mas virou mania nacional usar o "semear" em lugar de ofertar, isso porque semear é uma palavra que lembra "uma troca" com Deus. Você semeia no meu programa e Deus vai lhe restituir em dobro. É aquela antiga figura da semente única que faz crescer uma árvore, que por sua vez produz muitos frutos com muito mais outras sementes e assim por diante. Jogam tudo nas costas de Deus e responsabilizam o Nome do Senhor. Você dá a oferta e Deus vai lhe restituir, ou seja, se não acontecer, a culpa não é minha, não é do nosso ministério: é de Deus. Segundo, como há uma distância de tempo entre o semear e o colher, justificam seus abusos com frases como: "se você ainda não recebeu é porque ainda não chegou o tempo de colher, é tempo de semear (mais)".

Não custa repetir que "todas quantas promessas há de Deus, são nEle sim; e por Ele o Amém, para a glória de Deus, por nós"

Que Deus tenha misericórdia de seu povo e o guarde dos verdadeiros devoradores.


Deus abençoe a todos!

Maranata. Ora vem Senhor Jesus!

terça-feira, 4 de agosto de 2009

ÉTICA: OS JOSÉS DA BÍBLIA E OS JOSÉS DO SENADO BRASILEIRO.

Ética, um dos ramos da filosofia, é definida como a ciência do comportamento moral dos homens em sociedade ou o conjunto de normas de comportamento e forma de vida, através das quais o homem tende a realizar o bem. Moral é um conjunto de regras de comportamento próprios de uma cultura, enquanto a ética "vai mais além da moral, pois procura os princípios fundamentais do comportamento humano" (J.R.Nalini). Relacionada à moral, a ética vive em constante crise num certo país chamado Brasil, mais especificamente em sua capital federal, chamada Brasília. É um verdadeiro teatro de horrores ou como noticiou uma agência internacional, "uma casa de horrores".

Não sou um cristão apolítico. Sou favorável que o cristão envolva-se com política sim, desde que represente bem seus eleitores (cristãos ou não), defendendo seus interesses e os da sociedade de um modo geral. Temos diversos exemplos de homens na Bíblia que exerceram cargos de confiança no mundo político e não sujaram suas mãos. Pelo contrário, honraram a Deus com seus mandatos e foram modelos na administração da coisa pública. Tiveram inimigos políticos que por não acharem nada em suas vidas públicas, vasculharam suas vidas privadas e nada encontraram, senão que eles tinham um Deus diferente dos deuses pagãos e a Ele prestavam culto diário, um deles inclusive orando três vezes com as janelas abertas para Jerusalém (Dn.6.10).

A história de José nas páginas do Antigo Testamento, enche os olhos do mais simples ao mais ilustre dos homens, com sua vida e conduta ilibada. Depois de sofrer injustiças na família, no trabalho e até na prisão, sai do cárcere para assumir o segundo trono do Egito, onde governou durante oitenta anos. A tônica de sua biografia foi: "Deus era (estava) com ele"(At.7.9). José foi traído, vendido, caluniado, esquecido, mas não se vendeu, não se prostituiu, não teve seu nome manchado pela suspeita de compra de terrenos de pessoas que já morreram ou suspeita de desvio de sua fundação, não teve o nome vinculado a benefícios ilícitos feito a seus filhos ou parentes, o famigerado nepotismo, e embora tenha entrado na história como "José do Egito", permaneceu o mesmo José de Jacó, de Israel, e deu ordem para que sequer seus ossos ficassem no Egito. Conhecia suas raízes, sua origem e amava o fato de ser hebreu, descendente de Abraão (Heb.11.22).

Havia em Arimatéia, cidade de dos judeus, um certo José senador (Mc.15.43; Lc.23.50 - A.R.C.). Pouco se sabe de sua vida política, mas o pouco que se sabe é o suficiente para avaliar seu caráter e sua vida pública. A Bíblia limita-se a dizer que era senador honrado, nobre, rico e membro do Sinédrio. No auge de seu histórico de homem público, vai ao governador Pilatos com um "habeas corpus" e pede o corpo morto de um certo judeu jovem, nascido em Belém, cidade pequena da Judéia, crescido em Nazaré, cidade desprezível na Galiléia dos gentios. Doa panos de linho fino e especiarias para embalsamá-Lo porque a família do morto era pobre e de origem humilde (Lc.2.22-24). A família não podia pagar por um túmulo em Jerusalém e para que seu corpo não ficasse exposto no sábado, no Calvário, como era comum acontecer, doa também um túmulo novo cavado em uma rocha (Deus não aceitaria a doação para Seu Filho se não tivesse origem lícita). Três dias depois, o meigo nazareno devolve a propriedade ao ressuscitar, todavia, o local torna-se público e até hoje é visitado por milhões de peregrinos cristãos e turistas curiosos. Ninguém reconhece o túmulo como sendo dele (José), mas ficou conhecido como o "Túmulo de Jesus" ou a "Tumba do Jardim". Ninguém lembra do senador de Arimatéia, todavia, ele saiu de cena para Jesus entrar na história como o primeiro a vencer a morte. Entrou e saiu da história como homem honrado, político de bem. Por usar sua boa influência junto às autoridades, por doar o "enterro" e providenciar o sepultamento de um homem justo (e pobre), mostrou o verdadeiro caráter do homem público. Apesar de discípulo (oculto), mostrava preocupação com os pobres, se identificava com as classes menos favorecidas e com elas se relacionava.

Não podemos dizer o mesmo dos Josés do Senado Federal, onde a cada dia descobrem-se atos secretos e desmandos na vida pública. Homens que até pouco tempo defendiam a ética, representavam o perfil da retidão, interpretavam o padrão de moralidade e hoje, envergonhados, são achincalhados. Têm a biografia manchada no fim de suas vidas porque não souberam parar de desejarem poder. As máscaras estão caindo no teatro da política brasileira, tanto da situação como da oposição.

Os Josés da Bíblia não precisaram de manobras políticas para terem acobertados seus atos na vida pública e privada, nem na relação de seus filhos e parentes com a esfera do poder. Nossos Josés brasileiros perderam a oportunidade de entrarem para a história como modelos de ética, de boa política pública e padrão de moralidade para o mundo. A essas alturas, citar Sêneca não resolve a questão e nem serve de resposta à população brasileira. O povo evangélico brasileiro não esquece o beijo que um ex-presidente da Repúlica deu em uma imagem de escultura na cidade de Aparecida do Norte, para atrair a simpatia dos católicos.

Não tenho a intenção de mudar o país e a história com esse texto, mas oferecer um modelo simples de se fazer política pública com base na história de homens de bem e tementes a Deus. Espero que sirva também para os políticos de nossa bancada e para a liderança de nossas igrejas evangélicas. A Bíblia diz que o nosso "Deus é Luz", isso fala da transparência de seu caráter, que Ele não faz nada "debaixo dos panos" e que nele não há engano! Jesus que é a Luz do mundo, também disse que somos "a luz do mundo e o sal da terra". Que não hajam máscaras na relação da igreja com o poder e na administração das coisas sagradas. Que não hajam interesses puramente particulares, que não hajam benefícios ilícitos, principalmente para os filhos e parentes próximos. Que sirvamos de exemplo, como Daniel, à Babilônia, como José ao Egito e como o senador honrado de Arimatéia aos judeus do Novo Testamento. Que o mundo de hoje admirem os nossos Josés, que aprendam conosco, o povo de Deus, modelos éticos para o bem da Família, da Igreja e da Sociedade. Brilhemos pois nesse mundo como astros que, no meio de uma geração tenebrosa, refugem a Glória de Deus e salguemos a Terra, a humanidade, com o sabor da justiça e da ética do Reino de Deus.

Deus abençoe a todos.

Maranata. Ora vem Senhor Jesus!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

MAIS ABSURDOS DO CHAMADO MERCANTILISMO EVANGÉLICO

Fiquei estarrecido com o que li, há pouco, no blog Manhã com a Bíblia, do estimado Pr. Geremias do Couto. O conhecido escritor revela, em um texto curto, sua indignação com mais um disparate dos "levitas" de nossos tempos, para não dizer celebridades da fé.

A festa de aniversário da cidade de Teresópolis, Rio de Janeiro, contava com a presença de um "cantor" evangélico, que o pastor e blogueiro carioca prefere não revelar o nome. Os organizadores da festa decidiram mudar o local da reunião, que seria em um ginásio, uma vez que a celebridade evangélica não poderia comparecer devido a alta soma que teria pedido. Pasmem, nosso pseudo-irmão, muito generoso, teria cobrado "apenas" R$ 25.000,00 para se apresentar e os promotores, claro, cancelaram o evento no ginásio. O que mais me chamou a atenção e a do estimado articulista também, é que nós, evangélicos, para lotarmos um ginásio precisemos desse tipo de atração. Incrível! A igreja está crescendo horrores, estamos construindo templos com 10.000 assentos e fala-se até em locais de reuniões para 30.000 pessoas, somos cerca de 50 milhões no Brasil (ou quase isso), temos a maior igreja pentecostal do mundo (1) e não conseguimos encher um ginásio se não tivermos um astro entre nós?!

De quem seria a culpa por esses "cachês" tão altos? Daqueles que fomentam esse tipo de espetáculo em suas igrejas e festas, seja de jovens, de circulo de oração, aniversários de templos, etc, isto é, a culpa é dos que alimentam essa modalidade de louvor que não exalta a Deus. Ficamos à mercê de uma dúzia de gente que promove emocionalismos e sensacionalismos baratos, louvores mântricos, ocos e sem propósito de exaltarem a Deus.

Não quero bancar aqui o "Zé do Apocalipse", mas estamos no fim. Esse tipo de comportamento é inaceitável em nosso meio. Não faz muitos dias, li também na internet, que um pastor evangélico estaria oferecendo cinco milhões de reais pelas madrugadas do SBT e detive-me no comentário de um irmão que dizia: "Já exitem muitos programas de igreja na TV (...) porque não investem em obras sociais?". Nunca pensei que um dia concordaria com esse tipo de pensamento, pois sou um dos defensores de que a igreja deve usar a mídia para evangelizar o mundo. Porém, o que estamos vendo é que os chamados tele-evangelistas não estão promovendo o Reino de Deus, e sim seus interesses próprios e seus pequenos reinos aqui na Terra. Investem cinco milhões de reais porque sabem que irão arrecadar outros vinte. Não estão pensando em almas, nem em mudar a condição espiritual e social de nosso povo tão sofrido. A visão é marketeira e a situação é mercantilista e absurdamente abusiva, principalmente no que diz respeito a pedirem ofertas descaradamente, fazendo inclusive caras e bocas de piedade para comoverem e convencerem os telespectadores a contribuirem. Frases como: "Gente, vocês não sabem, como é difícil manter um programa de televisão no ar", me enojam. Se não podem sustentar o programa não entrem no círculo televisivo e não envergonhem o Evangelho. Alguns pastores assembleianos também estão usando do argumento da "semente", levando, astuciosamente, outros para testemunharem em seu favor, dizendo "plante no programa de fulano" e você vai ser muito abençoado. E os crentes incautos deixam de contribuir com suas igrejas locais para contribuirem com esses aventureiros. Outros têm usado os testemunhos de milagres como fonte de renda, para promoverem uma campanha, que é uma verdadeira cruzada em território nacional, para obterem um milhão de dizimistas. Bons tempos aqueles em que os verdadeiros evangelistas sonhavam com um milhão de almas.

Qual seria o porquê desses pastores de palco não falarem na Cruz de Cristo e na salvação pela fé, na vinda de Jesus, na renúncia diária, na doutrina da santificação? Por que os novos cantores evangélicos têm variado tanto seus repertórios com uma música de cada rítmo: rock, lambada, axé, salsa, merengue, forró e até samba? Seria para se contextualizar e evangelizar ou para atender todos os gostos e assim venderem mais cds? Sem citar nomes, o que se vê é uma disputa acirrada por espaços na mídia e nada de visão de Reino.

Por esses dias visitei muitas páginas e percebi que sobraram farpas para todos os lados e a maioria delas recaiu, principalmente, sobre a cabeça de um cantor cuja música está fazendo muito sucesso. Mas nossas músicas, de um modo geral, são muito desprovidas de conteúdo e inspiração bíblica. Não apenas o que está tocando em todas as rádios deve ser alvo de nossas críticas, mas toda a gama de novos cantores que se dizem evangélicos. Além da má qualidade, a forma mercantilista como tratam seus "ministérios" - é assim que eles nominam - tem envergonhado a igreja na mídia e no mundo secular.

Quero concluir com duas expressões do Senhor Jesus, o Mestre dos mestres: "De graça recebestes, de graça dai" e "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus"!
Maranata, ora vem Senhor Jesus!

Deus abençoe a todos!

(1) A Assembleia de Deus no Brasil é considerada a maior igreja evangélica pentecostal no mundo. Claro está que trata-se de uma referência à reunião de todos os ministérios e, portanto, convenções que levam esse nome.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

MICHAEL, AS "CELEBRIDADES" EVANGÉLICAS E A ETERNIDADE

Li, com a admiração de sempre, mais um texto do meu amigo Pr. Ciro e o título da postagem me chamou a atenção. Aliás, sugiro a todos a leitura do blog do estimado pastor. Mas, ao contrário do amigo lapeano, nunca nutri qualquer simpatia, nem mesmo em minha adolescência no mundo, pelo cantor que ontem partiu para a eternidade. A vida do ícone pop, sua conduta, aparições polêmicas e controversas, principalmente nos últimos tempos de sua carreira, marcada por escândalos, afastaram-me ainda mais do hoje chamado rei do pop. Incrível como o mundo é carente de um rei e por isso elege tantos reis: do rock, do pop, do baião, do futebol, das quadras, das pistas, entre outros.

Assistia na tv e na mídia de um modo geral, sua ascensão, fama e queda vertiginosa, com escândalos que iam de suspeitas e acusações de pedofilia a relacionamentos frívolos e falência financeira, até culminar com a fatídica parada cardíaca. De família adepta ao Russelismo, veio a se converter recentemente ao Islamismo, seguindo os passos de Cassius Clay (Muhammad Ali) e Mike Tyson - a nova mania das celebridades de misturar fama e religião, como Madona e seu judaísmo nada-ortodoxo.

Aqui no Brasil temos muitos artistas que, falidos na indústria fonográfica, ante o crescimento da fatia evangélica na pizza do gráfico social e das cifras do neo mercado evangélico, sucumbiram ao fascínio de se tornarem ídolos, ainda que para um número menor, e ganharem destaques em retorno triunfal. Cantores e atores cujo comportamento levanta suspeitas sobre uma verdadeira mudança de vida e por isso sua "conversão" dura somente até ao próximo convite para voltar à mídia secular. Usam os evangélicos como palco e picadeiro para não caírem no esquecimento e trampolim para retornarem à fama. Como não sou dado a generalizações, creio que existam conversões autênticas. Um pequeno número é verdade.

Ainda fazendo alusão ao texto do estimado amigo e à pergunta onde o Miguel (Michael) passará a eternidade, lembrei-me das plásticas e máscaras usadas em nosso meio pelos "reis" da música evangélica (pop?) e dos "ícones" dos crentes ávidos por sensacionalismo. Minha discussão é quanto ao lugar reservado na eternidade aos artistas evangélicos metidos a celebridades.

Onde passarão a eternidade os cantores evangélicos que cobram cachês para se apresentarem em nossos púlpitos e que cobram ingressos para assistirem seus shows? Ao insistirem na famigerada nomenclatura de culto de louvor, pioram mais a situação porque cobram para os "adoradores" terem acesso aos "seus louvores inspirados". E o que dizer dos cantores que no início de sua "carreira gospel" pediam aos pastores simples das igrejinhas pobres, na periferia das grandes cidades e nos interiores, uma oportunidade para louvarem ao Senhor com sua primeira gravação ("que o Senhor me concedeu", alegavam eles) e hoje só aceitam cantar nas grandes catedrais, cobrando adiantado e fazendo com que os dirigentes das igrejas assumam o compromisso de garantirem antecipadamente a venda de 200, 300 ou 500 Cds? Tudo isso para terem o privilégio de sua presença imprescindível. E mais: ninguém tem acesso à sua pessoa, pois quando alguém liga, quem atende é uma secretária que não tem autorização para passar a ligação para a estrela.

Onde estarão na eternidade os pregadores que maquiam suas agendas em favor das igrejas grandes que têm oferta maiores e cobram uma fortuna que eles chamam de "oferta de amor" ("só vou se me der tanto", dizem eles)? E os doutores que não sobem nos púlpitos sem o "seu" no bolso e que cobram até R$ 3.000,00 para darem uma palestra de uma hora, sem contar passagens aéreas e hospedagem? Concordo que a igreja que convida deve custear as despesas do convidado, mas daí fomentar e sustentar o estrelismo dos novos "reis" que o mundo evangélico elege é outra coisa.

Onde viverão eternamente os pastores que acham que vale tudo pelo poder e, que por perderem uma eleição, expõem a Convenção Geral ao ridículo e isso na mídia secular? Onde passarão a eternidade os pregadores metrossexuais com cabelos lisos, sobrancelhas feitas, lentes de contato e que exigem tratamento de superstar? Onde ficarão os manipuladores dos púlpitos que usam de astúcia em nossas igrejas e que barganham quando o assunto é dinheiro, tendo preferência pela oferta do último dia da festa, porque nos dois primeiros dias fazem o povo rir, entregam uma mensagem que massageia o ego dos ouvintes/contribuintes e sabem que no último culto da festa o templo estará lotado, o povo auto-sugestionado, disposto a contribuir, e fazem um apelo emocional para arrancar dinheiro do povo de Deus?

Não me considero radical ou fanático. Sou apenas uma voz, um blogueiro que louva a Deus por esse espaço, onde posso expressar com veemência toda a minha indignação contra a hipocrisia dos que manipulam a fé cristã em proveito próprio. Ainda que no deserto, como João Batista, tenho esperança de que um dia esse grito será ouvido na cidade e ecoará nos palácios.

Os Jacksons dos evangélicos estão por aí e só Deus sabe onde estarão na eternidade, mas vale lembrar as palavras do Senhor Jesus no Sermão da Montanha. Esse sim, um pregador! E que sermão!: "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome não expulsamos demônios? E, em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade".

A Todos, a Paz!

sábado, 16 de maio de 2009

O QUE É TEORIA DA LACUNA?




“No princípio, criou Deus os céus e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas” (Gn. 1.1,2). A.R.C


Devido às últimas descobertas arqueológicas e o crescente interesse pela ciência nas últimas décadas, vem ganhando força em nosso meio e nos círculos teológicos, a chamada Teoria da Lacuna. Essa teoria foi defendida em 1876 por C. H. Pember em sua obra As Idades Mais Remotas da Terra e a Conexão delas com o Espiritualismo Moderno e a Teosofia. Outro defensor foi o Dr. Artur Custance, autor do livro Sem Forma e Vazia. Chambers a tornou popular utilizando-se das notas da Bíblia de Referência Scofield (1917). No Brasil, tornou-se conhecida através da obra de N. Lawrence Olson, O Plano Divino Através dos Séculos.

Também conhecida como Teoria do Caos, Teoria do Intervalo ou Teoria da Ruína-Restauração, representa uma aproximação entre criacionismo bíblico, darwinismo, cosmogonias (mitologia) e cosmologias modernas. É contestada por boa parte dos estudiosos em teologia pelo fato de tentar harmonizar a revelação da criação com as descobertas de outra teoria: a da evolução – embora Pember não fosse um evolucionista. Penso que, embora a Bíblia não seja um livro científico, mas religioso, não devemos temer a ciência, contudo, onde a ciência tentar sobrepor-se às Escrituras, devemos ficar com a Revelação, posto que a Revelação é a maior das ciências. Não é por menos que a teoria em discussão seja contestada pelos teólogos, visto que está repleta de erros, bíblica e teologicamente falando. Os defensores da teoria da ruína-restauração ensinam acerca de um pré-mundo habitado pelos anjos e por uma raça pré-adâmica, que esses teriam se rebelado com satanás e por isso teriam recebido o juízo de Deus através de uma grande inundação, conhecida como "o dilúvio de lúcifer" - onde raça pré-adâmica, leia-se homens pré-históricos e era dos dinossauros. Como se não bastasse, ainda tentam explicar a origem dos demônios, como uma classe diferente dos anjos, ao afirmarem que a raça anterior a Adão seria os espíritos desincorporados dos homens que se uniram à rebelião luciferiana. Todos sabem que a teoria da evolução é uma visão naturalista que pretende excluir a idéia de um Deus Criador Pessoal, explicando a origem de todas as coisas através de acontecimentos que teriam levado bilhões de anos. Ou seja, para eles as coisas aconteceram naturalmente. Muitos cristãos, mesmo alguns fundamentalistas, se deixaram levar por essa associação equivocada entre criação e evolução para defenderem a proposta de que Deus apenas teria dado o toque inicial e daí em diante passou a ser um supervisor da ordem evolutiva – isso mais parece deísmo. Mas a Bíblia afirma em Gn. 1.1: “No Princípio Criou Deus os Céus e a Terra” e os versículos seguintes mostram Deus como o sujeito em toda a obra criadora do universo.

De acordo com os defensores dessa teoria, a terra teria sido criada perfeita para ser habitada, mas devido ao juízo de Deus sobre a civilização anterior a Adão, o mundo veio a se tornar caótico e desabitado. Então, dizem eles, isso explica o fato de haver desordem e caos em Gn. 1.2. Todavia, o texto de Gênesis está nos ensinando que Deus criou todas as coisas e que o escritor está fazendo alusão ao primeiro estado da matéria. Se “bara” (verbo criar no hebraico) e “kitzo” (no grego) estão associados aos atos criativos de Deus ou ao que somente Deus pode fazer, visto que são ações impossíveis aos agentes humanos (Gn. 1.21, 27; 2.3,4; Dt. 4.32; Jó 38.7; Sl.51.10; Is. 40.26, 28; 42.5), temos por outro lado no latim a expressão creatio ex nihilo que, igualmente, nos conduz à noção do criado a partir do nada. Não é demais lembrarmos aqui as palavras do autor do livro aos Hebreus: “Pela fé entendemos que os mundos pela Palavra de Deus foram criados, de modo que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente” (Hb. 11.3). Portanto, o mundo foi criado pela Palavra a partir do nada e Deus não se valeu de matéria pré-existente ou modelos anteriores, nem mesmo no mundo espiritual como pretendem alguns, mas a Bíblia revela que a primeira matéria era informe e que o Espírito de Deus movia-se sobre a matéria recém-criada dando forma ao informe, enchimento ao vazio e ordenando o caótico.

Os “lacunistas” dizem que a expressão de Gn. 1.2 contendo “waw”, que corresponde à nossa conjunção “e”, permite a mudança do verbo do perfeito para o imperfeito. Assim, “era” pode ser traduzido por “tornou-se” ou “veio a ser” – alguns estudiosos do hebraico negam essa possibilidade, entre eles, Frederick Ross e Bernard Northrup, mas outros afirmam positivamente. Citam ainda, os defensores da teoria do caos, Is. 45.18 “... o Deus que formou a terra e a fez; ele a estabeleceu, não a criou vazia, mas a formou para que fosse habitada...”. Para mostrarem que a terra foi habitada anteriormente, apresentam citação isolada, tirada de seu contexto e, portanto, nada podem provar. O contexto aponta para a devastação da terra na região onde Ciro ampliava suas conquistas(1) e os teóricos da matéria em questão intencionalmente esquecem ou evitam o que está escrito no versículo 12a: “Eu fiz a terra e criei nela o homem”. Igualmente, a gramática da língua hebraica não permite, nessa estrutura frasal, que haja intervalo algum entre essas expressões do capítulo primeiro de Genesis.

Ora, a suma do que se pretende dizer é que a terra em seu estado primeiro, a primeira substância, era sem forma (heb. “bohu”) e vazia (heb. “wabohu”), e isso dá uma dimensão da obra criadora de um Deus Pessoal, que tem intelecto, sentimento e vontade, e por isso ordenou todas as coisas com inteligência, beleza e amor. Outro fator importante no relato da criação é a posição do escritor do Gênesis em sua confrontação com as narrativas existentes, negando as concepções mitológicas de seu tempo ou anteriores a ele. A Bíblia revela que houve um princípio, quando a matéria era ainda um caos, e o Deus Criador, por sua Palavra deu forma ao informe e encheu o vazio de vida e beleza, ordenando todas as coisas em seu lugar e estabelecendo leis perpétuas. Uma das definições que encontramos de Deus é: "Deus é Espírito Pessoal, perfeitamente bom, que, em santo amor, cria, sustenta e dirige tudo"(2). O adorno do Espírito Santo qual ave-mãe chocando um ovo (essa é a idéia no original) diz muito acerca do labor afetivo da Trindade para criar o universo e o homem.

(1) Ridderbos, J. - Isaías, Introdução e Comentário, p. 378.
(2) Langston, B. - Esboço em Teologia Sistemática, p. 33.

Fontes:
Derek Kidner - Genesis Intr. e Comentário.
Esdras Bento - Teologia e Graça.
Rev. Walter Lang - Criacionism.org

sexta-feira, 8 de maio de 2009

COMPARAÇÕES DA UNIÃO - SALMO 133


Texto: 1 OH! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. 2 É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes. 3 Como o orvalho de Hermom, que desce sobre os montes de Sião, porque ali o SENHOR ordena a bênção e a vida para sempre (Salmo 133).

Introdução: O Salmo 133 faz parte dos salmos dos peregrinos ou dos salmos de romagem, também conhecidos como Cânticos dos Degraus. Os salmos que se enquadram nesse grupo vão do número 120 até o salmo de número 134. Aprendemos com os peregrinos, entre outras coisas, que o culto não começa no templo. De igual modo o culto cristão não começa dentro das quatro paredes. Para alguns o culto começa quando os hinos congregacionais são entoados pela Igreja, para outros quando toca o seu instrumento ou quando o pregador começa a explanar a Palavra de Deus, mas o verdadeiro culto tem sua origem no nosso coração quando nos predispomos a irmos à casa de Deus. O anelo do coração de Deus é expresso pelo salmista no salmo 133, e este anelo é a doce e boa comunhão entre os irmãos da Igreja, não importando raça, origem ou classe social. A Bíblia nos diz que somos todos um na pessoa de Cristo.
O salmista compara a união dos irmãos a três coisas:

I - Oferta Agradável - No livro de Levíticos, temos uma série de tipos de ofertas que podiam ser oferecidas ao Senhor (Lv. 1-7). Uma delas era a oferta de Manjares. Na oferta de Manjares era possível se ofertar grãos na espiga ou farinha (massa) e isso mostra dois tipos de crente, o crente que sempre se considera individualmente, que é arrogante, presunçoso e orgulhoso. Este tipo de crente é comparado ao grão, uma vez que preserva suas características naturais, mas é necessário que o grão seja moído para que haja farinha e seja deitado à farinha o óleo para que se possa fazer o bolo. Em Gl 3.28 a Bíblia nos diz: “Dessarte, não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus”, é necessário que deixemos as diferenças e, moídos, formemos uma só massa, para que o Espírito nos una com o óleo precioso e nos transforme em oferta agradável e de cheiro suave! (Rm 12,1,2).

II - Óleo Precioso (Unção) - O Salmista também compara a comunhão e a união dos irmãos como o óleo precioso que desce sobre a barba de Arão. Arão foi confirmado pelo Senhor como sacerdote do povo, quando Deus fez a vara florescer e dar frutos. Em Nm 17, a Bíblia nos conta como a vara de Arão floresceu e deu frutos. A vara que floresceu é um tipo de Jesus Cristo, que viveu, morreu, mas ressuscitou ao terceiro dia! Buda, Confúcio e todos os demais líderes de outras religiões morreram, mas somente Jesus ressuscitou e está vivo, exaltado à destra de Deus. Somente Ele floresceu e deu frutos! Deus deu ordem a Moisés para que se fizesse um óleo para que ungisse a todos os sacerdotes. Este óleo era tão precioso que ninguém podia fabricá-lo para o seu uso pessoal ou comercializá-lo. Não podia ser banalizado, pois, era símbolo da unção do Espírito Santo em nossas vidas. A Bíblia fala que o óleo era derramado sobre a cabeça de Arão e descia por todo o corpo até as orlas dos vestidos, ou seja, isso nos remete a Cristo que é a cabeça da Igreja. A unção foi abundante (Jo.3.34). Deus ungiu a Jesus com seu Santo Espírito e por conseqüência também fomos ungidos! (Is.61.1; Lc. 4.18;At.10.38 e Is.9.6).

III - O Orvalho do Hermom - O Monte Hermom é o Monte mais alto da Palestina, com cerca de 2.800m acima do nível do mar. Também Jesus recebeu um nome que está acima de todos os noemes (Fp. 2.9). No topo do monte há sempre uma coroa de neve que alimenta as nascentes do Rio Jordão e Ap.1.14 diz que Jesus glorificado tem sua cabeça e cabelos brancos como a neve. No verão, que vai de Abril a Outubro, o vento norte sopra (Ct. 4.16; Ez.37.9; Jo.20.22 e At.2.1,2) sobre o monte fazendo cair o orvalho sobre os montes de Sião, regando toda aquela região e trazendo renovo diário de vida. Ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre. Assim é a união dos irmãos!

Conclusão: A união do povo de Deus é comparada a uma oferta agradável de cheiro suave. Que cheiro tem a sua oferta? (Jo. 12.3). O óleo precioso é um tipo da unção do Espírito que veio sobre Jesus, o Cabeça, e o transbordar sobre o seu corpo, a Igreja (Is.9.6). Somente Ele tem a tríplice unção: Profeta, Rei e Sacerdote e a deu à Igreja. O orvalho de Hermom fala de renovo, reverdecimento, restauração, doação de vida e ordenação de bênçãos. Se sua vida está seca, o orvalho do Senhor vai reverdecê-la e trazer bênçãos dos céus!

quarta-feira, 29 de abril de 2009

O PAPEL NA BOCA

Por Dr. Flauzilino Araújo dos Santos*

Conta uma antiga lenda que na Idade Média um homem honrado foi injustamente acusado de haver assassinado uma mulher.
Na realidade, o verdadeiro assassino era uma pessoa muito influente do reino e por isso, desde o primeiro momento, se procurou encontrar um bode expiatório para encobrir o verdadeiro culpado.
Assim que o homem honesto e inocente foi preso e levado a juízo, conhecendo-se de antemão que teria escassas ou nulas oportunidades de escapar ao terrível veredicto: morte por enforcamento.
O juiz cuidou, não obstante, de dar ao julgamento todo o aspecto de justiça, e por isso ele disse ao acusado:
- Conhecendo a sua fama de homem justo e devoto a Deus, vamos deixar em suas mãos o seu destino. Nós vamos escrever em dois papeis separados as palavras culpado e inocente. Você escolherá uma, e a sua escolha será a mão de Deus para que decida o seu destino.
Por óbvio, os assistentes corruptos do juiz haviam escrito nos dois papeis a mesma palavra culpado, e a pobre vítima ainda sem conhecer os detalhes, se dava conta de que o sistema proposto era uma trama para condená-lo à morte.
Não havia escapatória!
O juiz ordenou ao homem que pegasse um dos papeis dobrados.
O homem respirou profundamente, ficou em silêncio por alguns segundos com os olhos fechados e, quando a sala de julgamento começava a impacientar-se pela demora, ele abriu os olhos e com um estranho sorriso fez sua eleição: tomou um dos papéis e, levando-o à sua boca, o mastigou e o engoliu rapidamente.
Surpreendidos e indignados os presentes protestaram iradamente: - Por que você fez isso? E agora? Como vamos saber o veredicto?
- É muito simples, respondeu o homem. É questão de ler o papel que ficou e saberemos o que dizia o papel que eu escolhi.
Com resmungos e raiva mal dissimulada tiveram que liberar o homem e jamais puderam voltar a acusá-lo porque no papel que ficara sobre a mesa estava escrita a palavra culpado.

Caríssimo amigo: Quando tudo parecer perdido, use sua imaginação. Quando parecer que não existe uma única luz no fim do túnel, use a sua imaginação.
Albert Einstein disse uma frase lapidar: "Nos momentos de crises, somente a imaginação é mais importante que o conhecimento”.
Com efeito, você pode alcançar o conhecimento por meio de estudos, de pesquisas e da observação. Todavia, pela sabedoria ultrapassamos as fronteiras do conhecimento humano e adentramos numa dimensão de saber sobrenatural pela iluminação de nossas mentes, a ponto de encontrarmos soluções imediatas para situações que julgávamos insolúveis; para situações que julgávamos sem saída. Refiro-me à sabedoria divina.
“Como é feliz o homem que acha a sabedoria...” (Provérbios 3:13).
A pergunta que se propõe é a seguinte: - Como podemos alcançar esse patamar de saber sobrenatural?
A Bíblia responde: Um de seus escritores - São Tiago – revela uma fórmula singela para se adquirir sabedoria que vem do alto, senão vejamos o que ele disse: "Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida. Peça-a, porém, com fé, sem duvidar, pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, levada e agitada pelo vento. Não pense tal pessoa que receberá coisa alguma do Senhor, pois tem mente dividida e é instável em tudo o que faz" (Tiago 1.5-8).

Caríssimo(a) Amigo(a): Ao encerrar esta mensagem eu peço que o Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, o nosso Pai glorioso, dê a você o Dom da Sabedoria para que, em primeiro, você amplie o seu conhecimento de Deus e possa interagir com Ele no seu dia-a-dia.
Peço também a nosso Deus e Pai que os olhos de seu coração – os olhos de sua mente – sejam iluminados com o conhecimento de Deus a fim de que você encontre as saídas e soluções sobrenaturais para todos os problemas, sejam eles pequenos, ou grandes.
É real que Deus está com as suas mãos estendidas para suprir todas as nossas necessidades, sejam elas espirituais, emocionais, intelectuais, financeiras, de saúde enfim, quaisquer que sejam. Pela fé em Cristo Jesus receba esse favor de Deus sobre a sua carreira profissional, sobre a sua família, sobre os seus negócios e sobre todas as áreas de sua vida.
Se você puder, por favor, diga agora em voz audível: “Meu Deus e Pai que está nos céus, obrigado por me buscar e me encontrar. E agora, pela fé no nome de Jesus Cristo, eu recebo a Tua sabedoria sobre a minha vida. Amém. Amém”.

SE VOCÊ QUISER LER OU OUVIR MENSAGENS COMO ESTA DO PR. FLAUZILINO, ACESSE www.telepaz.com.br

* Pastor Flauzilino Araújo dos Santos é pastor da Igreja Assembleia de Deus em Vila Nova, Campinas , São Paulo, e responsável pelos sites www.assembleia.org.br e www.telepaz.com.br