sábado, 21 de agosto de 2010

MATÉRIA DA ÉPOCA: NOVA REFORMA?! ONDE?!

Enquanto esperava para ser atendido por um amigo na recepção de seu escritório, deparei-me com a matéria da Revista Época sobre uma suposta Nova Reforma Protestante. Outro dia li rapidamente no Pavablog, blog do Pavarini, comunicólogo incansável. Ontem um amigo da Igreja da Lapa, enviou-me a matéria completa para uma reflexão mais apurada. Na verdade, já tinha minhas inquietações nas primeiras leituras rápidas que fiz.

Alguns poucos supostos "intelectuais" evangélicos brasileiros (ainda que neguem, posto que está na moda para essa gente negar que são evangélicos) recém-criados pela própria mídia que ora eles detonam, agora arrogam-se de novos detentores da verdade. Como disse o Dr. Caio Fábio no Youtube: "não são protestantes, são reclamantes, não têm compromisso com o Evangelho e gostam do clubinho, gostam da brincadeirinha" e emenda: "eu ainda estou aguardando a conversão de vocês ao Evangelho".

Também sou crítico do evangelhgo neopentecostal, dos jargões infames, dos chavões do evangeliquês, do evangelho apresentado na mídia: mascarado, caricato e adulterado. Mas, aqui pra nós, não há nada de novo. É isso mesmo! Mudaram a roupagem, mas os atores são os mesmos, os nomes são os mesmos, apenas mudaram as máscaras de acordo com seus interesses. Que Reforma é essa que me afasta da ortodoxia? O Ricardo Gondim, apesar de sua capacidade intelectual (?) e inteligência em ordenar as palavras no papel, abraça o Teísmo Aberto e, ao mesmo tempo que propõe uma revisão dos conceitos de Onipotência, Onisciência, Onipresença e Soberania de Deus (segundo ele, herança das instituições que vêm desde a Idade Média), quer nos empurrar para os braços do seu novo affair: o ecumenismo pregado no atual metodismo, onde frequenta salas e cadeiras como pós-graduado em Ciência da Religião. Ou seja, o Gondim prega uma Reforma às avessas, contrária à fé ortodoxa e que nos leva de volta para os braços de Roma. Já o Ed Rene Kivitz com sua "outra espiritualidade " ou "nova espiritualidade", defende igualmente o diálogo inter-religioso, outro nome para ecumenismo, enquanto o Ricardo Gouveia, Ariovaldo Ramos (também está embarcando nessa) e outros, pegam carona no denuncismo contra as igrejas neopentecostais (que são dignas de críticas) e   desenvolvem um discurso tido como "politicamente correto", atacando o cristianismo histórico denominando-o de religiosidade institucionalizada.

Acho mesmo que estão bem intencionados e que são homens de bem. Todavia, vivem uma vida fora da realidade brasileira. São burgueses comprometidos com suas próprias visões, gostam de posar de intelectuais na mídia evangélica, são presunçosos, mas se chegar um endemoninhado em suas igrejas não saberão o que fazer, porque nessas igrejas intelectualizadas não tem espaço para o pobre, nem libertação, nem cura para "os gadarenos". Eles brincam de "igreja-modelo", de "novo-paradigma", e desprezam as igrejas por onde passaram e os líderes com quem aprenderam e cresceram. Hoje, pós-graduados, doutores, esquecem suas origens, desdenham delas e desfilam toda sua vaidade nos artigos, nos livros e nas "academias evangélicas" e similares. E o pior: seus egos estão inflamados por serem tidos e reconhecidos por novos reformadores e nem se dão ao luxo de virem a público para rejeitarem o título que não merecem e que não fazem jus. Eles se acham mesmo reformadores, formadores de opinião, agentes históricos levantados por Deus para por fim a um ciclo da História da Igreja. Quanta presunção cabe em tão poucos corações humanos! Há pouca diferença entre eles e os que são objetos de suas críticas e infelizmente, com raríssimas exceções, lutam consciente ou inconscientemente para imortalizar suas obras.

Outro que vem ganhando destaque é o Pr. Elienai Cabral Júnior, que bebeu da fonte da teologia ibadiana (IBAD - Instituto Bíblico das Assembleias de Deus) em Pindamonhagaba, depois tornou-se  filhote do Gondim na Betesda. Extrai o texto abaixo do Púlpito Cristão, do querido Leonardo Gonçalves. Pelo teor do texto abaixo de autoria do Elienai Júnior, podemos avaliar que tipo de teologia esses novos "reformadores" estão fazendo com a Igreja: 


DEUS DE TÃO PERFEITO conheceu a plenitude do tédio. De tão cercado pelo idêntico a si mesmo, incapaz de dizer por que hoje não é apenas um reflexo de ontem, sem jamais ter sonhado com um outro dia, enfadado com a previsibilidade de um mundo impecável, inventou o amor. Ou seria, preferiu amar?[..] Deus, que do absoluto fugiu em desespero, que inventara o imperfeito, imperfeito se fez. Inventou-se entre os incertos. Aperfeiçoou a imperfeição. Humanizou-se entre humanos. De tão impreciso, despido das forças do absoluto, igualmente inapreensível, excepcionalmente frágil, tão vivo e tão morto, descortinou o absoluto como quem desnuda o que é mau. Imperfeito, salvou-nos da perfeição. (Elienai Cabral Jr.).




Infelizmente não está acontecendo nenhuma Reforma benéfica na igreja evangélica brasileira. A única coisa boa que está acontecendo, que consta na matéria da Época, é o evangelismo simples observado em Rondônia e a "subversão" popular de gente simples que não tem voz, status, poder ou dinheiro (como este editor) que através dos blogs pode falar a verdade sem pedir licença e apresentar seu ponto de vista em detrimento do elitismo intelectual que campeia o meio evangélico, entre outras coisas.

Maranata. Ora vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos.

10 comentários:

josimarcioecristo disse...

Caro Pastor, tenho visto suas criticas sobre o movimento NeoPentecostal( G12, entre outros movimetos), e fico triste pelo senhor tirar conclusões sem nenhuma participação, ou melhor, sem conhecer de perto os apostolos, pastores envolvidos neste movimento. A biblia fala que conhecemos a arvores pelos frutos, e tenho visto muitos casamento restaurados, pessoas deixando o viciu, ex-prostitutas, ex-homossexuais, todos livres em nome de Jesus. peço-lhe uma coisa, seja amigo de algum apostolo ou pastor, veja a vida dele com Deus. Assim vc pode tirar suas conclusãoem Deus.
Fica Na Paz do Senhor.

LUCIANO, simplesmente servo de DEUS! disse...

Paz do Senhor!!! muito bom seu blog Pastor, já esto seguindo tenho certeza que vou colher bons frutos.
muito boa essa sua observação sobre os neopéntecostais,as vezes escuto o Ricardo Gondin, e as vezes penso que ele não crer em nada!. fica na paz.

Pastor Guedes disse...

Caro Josimarcio,

A Paz!

Vejo pelo modo de se dirigir à minha pessoa que trata-se de uma pessoa cortez e educada.

Penso que seu comentário queira referir-se não à matéria da Revista Época sobre os Novos Evangélicos, onde seu comentário foi postado, mas, talvez sua intenção tenha sido comentar a matéria do vídeo do Programa Mensagem Eficaz. Seja como for, vou lhe responder honestamente.

No vídeo, assim como nas matérias acerca dos neopentecostais, tenho muito cuidado em não citar nomes para não confundir práticas cristãs com o caráter do ministro A ou B. Esse espaço não tem o interesse de denegrir a imagem de ninguém.

Embora haja libertação, salvação e restauração como o irmão bem frisou, as práticas litúrgicas e certos aspectos doutrinários, principalmente onde se hospeda o G12 e a confissão positiva, não condizem com a Bíblia.

Agradeço por seu conselho, orientação ou pedido para que eu conheça de perto um apóstolo, um bispo, etc. Acontece que eu já conheço muitos e já tive o privilégio de conversar horas com alguns ministros envolvidos. Logo, quando escrevo ou falo acerca do assunto não estou escrevendo o que me vem à cabeça. Reconheço o valor dos neopentecostais, principalmente no que diz respeito ao crescimento da igreja e à mudança que estão empreendendo no contexto social brasileiro, mas na prática de igreja cristã, deixam a desejar. Tenho amigos e parentes que frequentam o movimento gedozista e as igrejas que pregam somente cura ou prosperidade.

Segue abaixo uma resposta por email que dei a uma amigo de Campinas. Ele queria saber se considero os neopentecostaiis igreja ou seita.

Pr. Marcos,

A Paz do Senhor!

Agradeço por assistir nosso "embrionário" programa MENSAGEM EFICAZ.

Considero Igreja, visto que aceitam o senhorio de Cristo e deixam o mundo para serem dEle. Igreja significa chamados para fora (sei que o irmão sabe isso) e entendo que eles foram chamados para fora do sistema das coisas caídas. Invocam Jesus como Senhor, abominam os ídolos, pregam a salvação, crêem na Trindade, batizam por imersão em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, crêem na justificação pela fé, regeneração, santificação, etc. O que caracteriza seitas falsas são distorções quanto à Pessoa, Obra e Natureza (Divino-Humana) do Senhor Jesus e também do Espírito Santo (Sua Divindade).

O que eles têm são distorções práticas, antibíblicas, que se corrigidas não terão muita diferença de nós assembleianos. Na Assembleia de Deus também tem distorções, principalmente no campo do misticismo e fanatismo. Há manifestações em alguns lugares (em nossas igrejas) que chegam a lembrar as danças do candomblé e em outros, não ficam devendo nada aos shows de hipnostismo.

Abraço querido amigo.

Deus abençoe sua casa e lhe dê saúde!

Assim sendo, querido Josimarcio, não preciso andar com os "apóstolos" da modernidade, posto que os respeito enquanto homens de bem. Agora, sua sugestão de conhecer as árvores pelo fruto, apesar de bíblica, é temerosa, pois há apóstolos e "apóstolos" e muitos deles estão enlameados até ao pescoço.

Que Deus seja contigo e com a tua casa.

Abraço.
No Amor de Cristo!

Pastor Guedes disse...

Prezado Luciano,

A Paz!

Agradeço por sua visita e comentário.

Acerca dos neopentecostais e do Teísmo Aberto (Ricardo Gondim) só temos que lamentar as distorções.

Visitei seu blog. Achei muito interessante e também passei a segui-lo.

Abraço.
No Amor de Cristo!

Blog Durval disse...

Oi, Pr Guedes,
Daqui da Ásia li a matéria pela internet e fiquei com a sensação de não ter lido tudo, já que a matéria é muito curta - coisa de repórter preguiçoso e de revista que preza mais fotos e figuras do que texto. A matéria não esclarece quase nada (leia-se nada) e quem não conhecia os evangélicos continua sem conhecer.
Concordo que precisamos de uma reforma ética, mas esta é muito difícil de acontecer, já que a maioria gosta dos privilégios que os líderes gozam. Muitos gostam de mudar ritos, horários, roupas, músicas e ritmos... mas mudar o coração, mesmo... ah, isto não!!!!
Deixo uma pergunta: a igreja brasileira seria melhor sem o movimento neo-pentecostal (Universal, Renascer, etc.)? Eles fariam falta se não existissem?
Para mim, são uma benção - ganham almas e depois passam tudo para as igrejas que tem Palavra.
Abração, meu amado,
Pr Durval.

Presbitero Sandro disse...

Pastor Guedes com esta materia exposta e seu comentario a respeito, pude claramente conhecer sem te ver que verdadeiramente ainda temos profetas de Deus na terra, Homens sinceros que retem os bons costumes, Enfim que te dar os meus Parabéns pelo porte e bom gosto ético e espiritual de seu comentário continue falando a Verdade.
Que Deus te Abençoei.

Pastor Guedes disse...

Prezado Durval, Pastor e Missionário,

A Paz!

Não sei se você leu toda a matéria que é composta de três páginas. Mas, respondendo sua pergunta, creio que a igreja evangélica está crescendo no Brasil devido ao trabalho dos neopentecostais, embora eu discorde dos métodos de evangelismo que eles adotam, da doutrina da (falsa) prosperidade e de suas práticas distorcidas.

Na reportagem o Robson Cavalcanti disse que os neopentecostais deveriam retirar o nome de evangélicos, mas eu penso que eles são cristãos evangélicos sim, apenas precisam de correção em certos aspectos doutrinários e práticas. Reconheço, apesar de não concordar com a doutrina, que a Universal tem um trabalho muito bom com drogados e ex-drogados, que a Renascer tem um grande alcance no meio do público jovem, que a Bola de Neve tem entrado em classes sociais que não entramos antes, que o R.R e o Valdomiro têm alcançado muita gente que a Assembleia, a Batista e outras nem imaginavam atingir...

Eles fariam muita falta, afinal já fazem parte da história da igreja brasileira e mudaram o cenário religioso nacional, mas nem por isso vamos acobertar os erros de doutrina e deixar de apontar as distorções do movimento em relação à Bíblia.

Abraço.
No Amor de Cristo!

Pastor Guedes disse...

Prezado Presbítero Sandro,

A Paz do Senhor!

Obrigado por sua visita.

Agradeço por suas palavras que me servem de incentivo e peço suas orações para que eu continue (ao lado de pessoas como você) falando a Verdade da Bíblia Sagrada e da doutrina sadia para edificação das igrejas que estão em Cristo.

Abraço.
No Amor de Cristo!

Historiologia Protestante disse...

Quero primeiramente ser solidário ao seu desencanto com o evangelismo nacional.
Evidente que as questões aqui colocadas são reais e palpáveis, não vendo apenas os que continuam iludidos e iludindo a si mesmo, numa espiritualidade desnudada de qualquer ação prática na sociedade brasileira.
Todavia, esta é a minha questão maior, é necessário ansiarmos por um movimento sério e consistente que possa harmonizar as verdades absolutas do Evangelho com a realidade da sociedade em que vivemos. Este é o nosso grande desafio, que vai além de identificarmos os gargalos e exige que elaboremos propostas reais.
Um grande abraço!

Pastor Guedes disse...

Caro Ivan P. Guedes, Paz!

Agradeço por sua visita e comentário.

Concordo com o Amado. Uma Reforma hoje passaria pela mudança da mentalidade das lideranças. Quando todos tomarem consciência da noção de Reino e não de seus "reinos", os reinos ególatras, inclusive, e se tivermos um olhar mais voltado para o objetivo desse Reino, que ao meu ver é o homem todo, então teremos uma Reforma.

Um bom início de proposta real seria pararmos de fazer de conta e deixarmos de filosofar sobre, mas por as mãos no arado.

Muito bom ser seu amigo.

Abraço e Paz!