sábado, 24 de dezembro de 2016

CATÓLICOS DIMINUEM 9 MILHÕES NO BRASIL E PERDEM FIÉIS PARA OUTRAS RELIGIÕES

Resultado de imagem para CATOLICISMO EM DECADÊNCIA
O Brasil ficou ainda menos católico. De outubro de 2014 a dezembro deste ano, a primeira religião cristã do mundo perdeu ao menos 9 milhões de fiéis, ou 6% dos brasileiros maiores de 16 anos, segundo pesquisa Datafolha.
Há dois anos, eram 60% os que se declaravam católicos; neste ano, são 50%. Como a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos, a queda foi de no mínimo 6 e no máximo 14 pontos percentuais –nesse cenário, seriam mais de 20 milhões de fiéis (algo como a população da Grande São Paulo).
No mesmo período, a fatia dos que dizem não ter uma religião mais que dobrou, de 6% para 14%. Mas isso não quer dizer que essas pessoas tenham perdido a crença, diz o professor de sociologia da USP Reginaldo Prandi.
Segundo ele, no mundo todo é cada vez mais comum que as pessoas não se prendam a uma instituição religiosa apenas, ou que exerçam a espiritualidade sem pertencer a uma igreja.
"Pode não ter religião hoje e ter amanhã. Ficou muito ao sabor da época da vida, dos compromissos que se quer assumir. A religião deixou de ser condição obrigatória para ser bom cidadão."
"Socialmente, a religião não tem mais papel nenhum", diz o sociólogo.
O Datafolha ouviu 2.828 brasileiros maiores de 16 anos selecionados por sorteio aleatório, em amostragem representativa da população.
Feita em 174 municípios, a pesquisa tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos (nível de confiança de 95%).

O antropólogo da Unicamp e do Cebrap Ronaldo de Almeida e o professor de filosofia da religião da PUC Luiz Felipe Pondé também veem um processo de desinstitucionalização das religiões.

"A igreja atrapalha, tira a liberdade, é excessivamente racionalista, interesseira ou contrária à pureza interior da busca da fé", diz Pondé.
O filósofo lembra que a recusa à institucionalização está na origem do protestantismo e marca a história das religiões, "que sempre andam à frente achando que vão reencontrar o passado puro".
Almeida avalia que os sem-religião podem incluir também católicos não praticantes ou evangélicos que preferem não declarar sua filiação.
Estimativas globais sustentam essas análises. Dados do Centro Global de Estudos da Cristandade mostram que mesmo os católicos crescem a taxas maiores que a população com um todo, ou sejam, aumentam sua presença no mundo, enquanto encolhe a fatia dos não religiosos.
O ritmo de crescimento da população total é 1,21% ao ano, o de católicos, 1,28%, o de evangélicos, 2,12% e o de pentencostais, 2,20%. As religiões independentes se expandem a taxas de 2,21% (chegando a 2,94% na Ásia).
Já os sem-religião crescem 0,31% por ano, os agnósticos, 0,36%, e os ateus, 0,05%.
No Brasil, ainda que a redução recente na porcentagem de católicos não tenha sido acompanhada por expansão de evangélicos, metade dos protestantes saíram da Igreja Católica, onde foram criados, segundo pesquisa do Instituto Pew.
A mudança de religião se dá antes dos 25 anos, e os convertidos citam como principais motivos para a mudança a maior conexão com Deus (77%) e o estilo de culto da nova igreja (68%).

Mais da metade diz que procurava mais ênfase em moralidade ou encontrou mais ajuda. Procurada, a CNBB (conferência dos bispos) não quis comentar.

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/12/1844365-deixam-de-ser-catolicos-ao-menos-9-milhoes-afirma-datafolha.shtml

quinta-feira, 21 de julho de 2016

CPAD CANCELA EVENTO COM REV. AUGUSTO NICODEMUS

Bom dia - 1 - Cópia

O reverendo presbiteriano Augustus Nicodemus Lopes é bastante conhecido por sua produção teológica de viés calvinista e cessacionista. Por não acreditar na contemporaneidade dos dons do Espírito Santo e ter, no passado, criticado os pentecostais, sua palestra na CPAD Megastore no Rio de Janeiro gerou grande polêmica.
Pertencente à Assembleia de Deus (AD), maior denominação evangélica do Brasil, a CPAD é uma editora confessional. Sua loja no Rio promove seguidamente palestras com autores do segmento evangélico. A fala de Nicodemus seria para promover seu livro “Apóstolos”, lançado pela editora Fiel no ano passado.
Seria, pois acabou cancelada. Desde que foi anunciado o nome de Nicodemus, pastores da AD começaram a pedir para que a loja não fizesse o evento. A reclamação é isso seria uma tentativa de se popularizar a doutrina calvinista na denominação historicamente arminiana.
O articulista Julio Severo comentou o caso, fazendo acusações fortes: “Se a Assembleia de Deus se tornar calvinista, vou dizer o que vai acontecer, cedo ou tarde: A Assembleia de Deus vai ser a primeira denominação pentecostal do Brasil a apoiar o “casamento” gay e o aborto. Como sei? A maior denominação presbiteriana do mundo, que tem milhões de membros nos EUA, faz exatamente isso”
Apesar de assembleiano, o teólogo Gutierres Siqueira foi um dos poucos que ficou em favor da palestra do pastor presbiteriano. Em sua conta no Facebook escreveu: “Eu gostaria de ver, isso sim, a mobilização dessa liderança poderosa contra os modismos neopentecostais em nosso meio. Há inúmeros pregadores e pastores da denominação que, em graus diversos, pregam a maldita teologia da prosperidade, a confissão positiva, a bênção de Toronto, o triunfalismo, o semipelagianismo, o curandeirismo, o mercantilismo da fé, o autoritarismo eclesiástico, o G12, etc. e diante desses lobos não há nenhuma campanha?”.
Houve uma divisão de opiniões, com manifestações tanto contra quanto a favor da realização da palestra. Mas a pressão surtiu efeito e a empresa anunciou a suspensão do evento.
Comunicado
Faltando pouco tempo para a realização da palestra, a CPAD publicou um comunicado oficial, justificando sua decisão.
“Em razão da repercussão não desejada que estava causando nas últimas semanas entre alguns irmãos em Cristo, a palestra foi… por hora, suspensa”, afirma a nota.  Acrescenta ainda que: “Não é do interesse da CPAD causar ou alimentar celeuma alguma dentro da igreja, mas promover a edificação do Corpo de Cristo”.
A CPAD ressalta que continuará realizando eventos para lançamentos de editoras e gravadoras, mas não anunciou se voltará a convidar Augusto Nicodemus.

Explicação
No comunicado, a CPAD diz que a suspensão do evento não teve a ver com o conteúdo do livro nem com a pessoa do pastor Augustus Nicodemus. Informa ainda que “não é do interesse da CPAD causar ou alimentar celeuma alguma dentro da igreja”.
Presbiterianos na casa
Augustus Nicodemus não seria o primeiro ministro presbiteriano a participar de um evento na Casa. Ainda em abril deste, outro nome bastante conhecido, pastor Hernandes Dias Lopes, foi homenageado pelo gerente da Casa no Rio de Janeiro.
fonte: http://www.jmnoticia.com.br/2016/07/18/14752/

domingo, 10 de julho de 2016

JUSTIFICANDO A EXCLUSÃO DO POST SOBRE O EX-MARIDO DE BIANCA TOLEDO.

Olá, a Paz.

Talvez você esteja procurando um texto falando sobre O Lado Oculto de Felipe Heiderich. Bem, como fui advertido sobre a proibição da republicação do texto, resolvi excluí-lo para não ter problemas com a justiça ou com as pessoas implicadas. Desejo a todos os envolvidos apenas a Paz de Cristo em seus corações e o desejo de que se reencontrem na vida para reconstruírem suas histórias em Deus.

Sem mais.

Abraço a todos.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

FRENTE PARLAMENTAR EVANGÉLICA CONFIRMA APOIO AO IMPEACHMENT DE DILMA

BRASÍLIA — O presidente da Frente Parlamentar Evangélica da Câmara, o deputado tucano João Campos (MG), anunciou, nesta quarta-feira, a posição da frente favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Segundo Campos, a bancada evangélica possui hoje 92 integrantes, incluindo a deputada Benedita da Silva (PT-RJ), e sua imensa maioria deverá seguir a orientação de votar a favor do impeachment. Campos afirmou que a decisão foi tomada em reunião realizada na tarde desta quarta-feira, com a participação de 70 deputados, alguns virtualmente.
Em nota lida em coletiva no Salão verde da Câmara, Campos afirma que a decisão foi tomada em razão da "grave crise econômica, moral, ética e política que atravessa o país" e dos "recentes escândalos de corrupção praticados pelo governo e crimes de responsabilidade praticados por Dilma que constituem uma afronta ao povo e ao estado democrático de direito". A nota diz ainda que o processo de impeachment está amparado pelo caminho constitucional e é necessário para que o país "restabeleça a esperança, a confiança, a unidade nacional e retomada do crescimento."
— A nota traduz o sentimento não só da bancada evangélica, mas dos segmentos evangélicos — disse Campos.
Presente no ato, ao lado de Campos, o deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG), disse que os deputados evangélicos irão procurar as lideranças evangélicas de deputados que estão indecisos para explicar o porquê do impeachment e a importância de sua aprovação:
— A Frente Parlamentar Evangélica tomou a decisão para defender o povo mais humilde, que perdeu empregos. É uma decisão em prol dos mais pobres. Iremos visitar os pastores, lideranças evangélicas, para mostrar a importância do impeachment para recuperarmos a nação.
João Campos afirmou que não é uma posição religiosa ou partidária.
— Essa posição não é uma posição partidária, sequer religiosa. É uma posição em favor da nação. O país não pode continuar como está — disse Campos.
Um grupo de cerca de 10 deputados evangélicos estavam ao lado de Campos para a leitura da nota, entre eles Marco Feliciano (PSC-SP) e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ).
Segundo o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS), 80% dos deputados da bancada devem votar a favor do impeachment de Dilma.
Fonte: Extra e Point Rhema

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

NATANAEL RINALDI, MEU PRIMEIRO MESTRE DE TEOLOGIA, PARTIU PARA A ETERNIDADE.

Resultado de imagem para natanael rinaldi
É com profundo pesar, que comunico a entrada nas mansões celestiais, do amigo, professor e Mestre, Pr. NATANAEL RINALDI, aos 89 anos, o maior ícone entre os apologistas da Igreja evangélica brasileira.

Natanael Rinaldi, faleceu hoje - 24.02.2016, às 4,30h desta madrugada, em Santos - SP, onde residia, exatamente uma semana após a partida da sua querida esposa, irmã Paulina Camargo Rinaldi.

O Brasil perde um evangelista nato, desde o início da sua fé cristã, apologista dedicado, intenso e suas atividades até o fim da vida.

Apesar da idade avançada, e o pedido dos médicos para que reduzisse seu rítimo de trabalho, Pr. Natanael Rinaldi simplesmente não parava, evangelizando, produzindo e apresentando seu Programa de rádio "Consultando a Bíblia"em diversas emissoras de rádio e TV, ensinando em seminários e conferências, evangelizando pessoalmente, e ainda ministrando nos cultos da Igreja Evangélica da Paz, na cidade de Santos, igreja que ajudou a fundar, junto ao seu filho, Pr. Natanael Rinaldi Filho.

Pessoalmente, perdi um Mestre. Fui apresentado ao Senhor, quando do meu nascimento, pelas mãos desse servo de Deus, ainda na Assembleia de Deus - Ministério de Santos, quando meus pais com ele congregavam. Desde a infância, aprendi o trabalho e a necessidade de a Igreja se envolver e praticar o evangelismo e o combate às seitas heréticas com ele.

Pr. Natanael Rinaldi não somente ensinava a Igreja a praticar o evangelismo e o combate as seitas heréticas, mas dava o exemplo indo à frente do rebanho.

Teólogo respeitadíssimo, com uma carreira de mais de 60 anos na defesa da fé cristã. É o autor e revisor da grande maioria das notas de rodapé da "Bíblia Apologética de Estudo" e também na revista "Defesa da Fé" editada por pelo amigo e pastor Jamierson Oliveira. Entre sua vasta produção e pesquisas, apostilas, livros, vídeos e artigos, Rinaldi é co-autor com o pr. Paulo Romeiro na obra "Desmascarando as seitas" (CPAD), considerada um marco na literatura evangélica. Foi pesquisador e Presidente por vários anos do lCP - lnstituto Cristão de Pesquisas

Entendo que o trabalho clássico e evangelização e o combate intensivo e incansável às seitas heréticas perde um combatente, um guerreiro que cumpriu a sua missão, mas o céu ganhou no dia de hoje.

Que o Eterno conforte o coração dos familiares, da Igreja e de todo o mundo evangélico brasileiro.

Natanael Rinaldi cumpriu a sua missão, cumpramos nós agora a nossa parte.

Vi no Blog: Pointh Rema

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

GOVERNADOR DO RIO EXONERA SECRETÁRIO DOS DIREITOS HUMANOS POR DECLARAR QUE ACREDITA NA "CURA GAY"

Um dia após dizer ao jornal O Globo que acredita na "cura gay", o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro, pastor Ezequiel Teixeira, filiado ao Partido da Mulher Brasileira, foi exonerado pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB). A decisão foi divulgada na noite desta quarta-feira.
O pastor ocupava o cargo desde 15 de dezembro. Desde que o pastor assumiu a pasta, foram fechados quatro centros de assistência a homossexuais no Estado e 78 funcionários que atuavam no programa Rio Homofobia forma demitidos.
Na entrevista ao jornal, o pastor compara a homossexualidade ao câncer e à aids. "Eu não creio só na cura gay, não. Creio na cura do câncer, na cura da aids. Sabe por quê? Porque eu sou fruto de um milagre de Deus também", afirmou.
Deputado federal licenciado, Teixeira é fundador da igreja evangélica Projeto Nova Vida e diz que foi convidado para assumir a secretaria "com essas convicções". "Todos que me chamaram sabiam das minhas convicções", afirmou ao jornal.
O pastor será substituído por Paulo Melo (PMDB), que ocupava a função de secretário estadual de Governo. Essa pasta será ocupada por Affonso Monnerat, atual chefe de gabinete do governador.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

PROBLEMAS NA IGREJA E A NECESSIDADE DE UMA PSICOLOGIA CRISTÃ



A atuação da Igreja tem sido voltada durante centenas de anos para a evangelização e missão entre os povos. Não está errado esse modo de ver a ação daquela que é a agente e porta-voz do Reino. Em uma nação considerada evangelizada, cuja igreja consegue andar com seus próprios pés, sem a ajuda missionária, ou seja, passada aquela fase de estruturação em bases sólidas, a igreja tende a cuidar de seus próprios problemas e enviar missionários. Esse novo período abre os olhos da igreja para os problemas espirituais e sociais ao seu redor e abre espaço para uma crítica social: É válido ganharmos o mundo e perdermos os nossos filhos? Li em um livro que Luis Palau, depois de pregar em uma prisão, veio uma multidão tão grande de homens à frente que, em menos de uma hora, deparou-se com um novo problema: o nascimento de uma igreja enorme. O pregador começou a chorar e a perguntar-se: “E agora, quem cuidará dessas almas?”.

A igreja brasileira cresceu antes do tempo previsto e os líderes não se deram conta de seu crescimento, tendo hoje um problema estrutural. Basta ver os templos das Assembleias de Deus ontem e hoje. Ontem, templos pequenos, para 200 pessoas no máximo, com dois banheiros e uma salinha para secretaria e tesouraria. Mais tarde, não tendo mais para onde crescerem, inventaram as galerias. Ainda não haviam salas para Escola Dominical, aconselhamento, berçário, fraldário, estacionamento, etc. Assim como não nos preparamos para essa realidade, igualmente não nos preparamos para o crescimento vertiginoso que o movimento evangélico está experimentando no Brasil. Hoje os templos são construídos para milhares, estacionamentos amplos, com salas para todos os departamentos, inclusive escolas teológicas, o que era visto com maus olhos, principalmente no meio pentecostal.

Embora nossos pastores estejam fazendo o melhor para suas comunidades no que diz respeito às acomodações, estamos diante de um problema talvez ainda maior. Os divórcios, os relacionamentos e a saúde psíquica dos membros de nossas igrejas são de causar espanto! Nunca se viu tantos casamentos desfeitos, lares desestruturados, crentes estressados, carregados de ansiedade, hipertensos, com síndrome de pânico, transtorno bipolar, depressão e problemas cardíacos. A correria de nosso tempo, as angústias e frustrações por não terem alcançado seus objetivos na vida, tem levado muitos crentes aos tribunais, às terapias de casais, às clínicas psicológicas e psiquiátricas como nunca.

Precisamos acordar para os benefícios trazidos pela Psicologia para a realidade das igrejas. Não que deva substituir a ministração da Palavra nos cultos e nas reuniões terapêuticas, não é isso! Não é desprezar o dom de Deus, a consolação do Espírito, as clínicas que já existem nas igrejas, as formas de aconselhamento e terapia ou os núcleos de reabilitação familiar, mas ousar e antecipar-se aos fatos, fazendo com que os pastores das igrejas atuem ao lado de pastores-psicólogos e estes últimos tenham espaço em nossas atividades pastorais para resgatar a auto-estima do povo de Deus, aplicando não puramente princípios freudianos ou junguianos, mas bíblicos: cristológicos, paulinos ou aqueles encontrados nos livros sapienciais e nos profetas.

Ouvi por esses dias um sermão interessante: “Correr Menos e Confiar Mais”. Muitos cristãos perdem tempo e se desgastam com coisas frívolas, e correm tanto como se fossem salvar o mundo e colocar todas as coisas em ordem – não vão! Quantos pastores estressados hoje porque deram mais de suas vidas para as igrejas que pastorearam e menos para si e para sua família; deram-se além dos limites humanos e hoje sofrem angústias, andam depressivos e confessam: “Se tivesse que fazer tudo de novo, eu faria, mas de outro modo, de um modo mais inteligente: valorizaria mais a vida, a família, as pessoas e menos as instituições”.

Temos tempo para consertar tudo isso, se encararmos o problema de frente e investirmos mais no aconselhamento na área familiar e criarmos uma clínica pastoral, inclusive para o pastor e sua família; se investirmos mais na área bíblica-psicológica; se considerarmos mais os relacionamentos frente ao individualismo e a concorrência, inclusive dentro das igrejas; se apreciarmos mais as pessoas que as coisas e mais a família que os projetos humanos; se olharmos as aves dos céus e os lírios do campo (Mt. 6.25-34) e fugirmos da correria da modernidade; se frequentarmos e descansarmos mais no divã de Deus; se valorizarmos mais os indivíduos que as construções de concreto; se preferirmos o amor ao próximo à frieza dos códigos estabelecidos e perpetuados pelo tempo (Mt. 23.4). Falamos muito sobre doenças psicossomáticas em nossos púlpitos, somos dados a interpretar sonhos, mas temos medo de aprofundarmos a questão e perdermos o carisma, porém se entendemos biblicamente que o homem é pneuma, e psiquê, e soma (I Tss. 5.23), devemos ajudar e procurar salvar (curar) o homem todo.

Creio que todo cristão está justificado posicionalmente em Cristo (Rm. 5.1,2; II Co. 5.17), que será salvo todo aquele que invocar o nome do Senhor (Rm. 10.13) se permanecer até o fim (Rm.11.20,21). Mas, também creio que Deus quer salvar e curar almas com um passado trágico (Jo. 4), desesperadas, beirando o suicídio (At. 16.27-31). Podemos levá-las à sanidade, ao equilíbrio e vida plena, pela Palavra e pelo Espírito, com a ajuda de todas as ciências que Deus disponibilizou para o nosso bem estar para viverem em abundância de vida (Jo. 10.10). Nada melhor que aproveitarmos o tempo da expansão da Igreja para cuidarmos melhor de nossos filhos na fé. Temos espaço físico e aparelhos para fazê-lo, basta despertarmos para essa nova realidade. 

Acabei de receber um email de uma moça que se afastou da igreja e em uma relação com o namorado, engravidou. Com medo do que pudesse acontecer no futuro, abortou e hoje não dorme direito com a consciência em crise, com pesadelos, com choro contínuo e depressão, pois sabe que cometeu um assassinato, posto que conhecia a verdade. Com medo do futuro, tomou uma decisão errada e hoje o passado a atormenta. E agora?! Alguém dirá: “Vamos orar!”. Perdoem-me se pareço descrente do poder da oração, porém a Bíblia diz que “a oração de um justo pode muito em seus efeitos” - mas não que pode tudoEssa irmã precisa mais que oração, precisa de acompanhamento psicológico, de abraço, de afeto, de carinho, de ajuda médica, caso contrário será o próximo caso de depressão profunda a dar entrada nas estatísticas das clínicas psiquiátricas ou mais um caso de cristão suicida.

Maranata. Ora Vem Senhor Jesus! 
Deus abençoe a todos.

domingo, 17 de janeiro de 2016

PASTOR ELIEL AMARAL SOARES PARTIU PARA A ETERNIDADE

Pastor Eliel Amaral Soares parte para Eternidade

Partiu para a eternidade, com 64 anos de vida, na noite de sábado, 
16 de janeiro de 2016, por volta das 20h, 
em São Paulo onde estava hospedado desde o dia 30 de dezembro de 2015, 
quando chegou dos Estados Unidos para atender agenda no Brasil, o querido
pastor e missionário, Eliel Amaral Soares.

O mesmo estava servindo ao Senhor como Missionário enviado pela 
Assembleia de Deus em São Paulo - Ministério do Belém na Flórida, 
Estados Unidos. O mesmo foi vítima de um farto fulminante e faleceu 
onde estava hospedado sem que houvesse oportunidade de socorro.

Oremos pela família, esposa irmã Olívia, filhos, noras, genros e netos que 
estão em viagem dos Estados Unidos para o Brasil neste momento.

VELÓRIO E SEPULTAMENTO:

O corpo do querido Pastor e Missionário Eliel Amaral Soares, por 
determinação do pastor José Wellington Bezerra da Costa será 
velado no templo-sede da Assembleia de Deus em São Paulo - 
Ministério do Belém sito à Rua Conselheiro Cotegipe, 273, Belém (SP), 
a partir das 22h deste domingo, 17 de janeiro de 2016.


O cortejo para o Cemitério de Vila Alpina, sito à Avenida: Francisco 
Falconi, 837, São Paulo, sairá do templo as 12h para o  sepultamento 
que está marcado para as 13h desta próxima segunda-feira, 18 de 
janeiro de 2016.

FONTE: 
http://www.pastorjosewellington.com.br/2016/01/pastor-eliel-
amaral-soares-parte-para_17.html?spref=fb

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

A PALAVRA TEM MESMO A PRIMAZIA EM NOSSOS PÚLPITOS?



Prezados leitores e amigos, um assunto tem me inquietado ultimamente e gostaria de compartilhar essa minha inquietação com vocês. Falo da tão comentada questão da primazia da Palavra de Deus em nossos cultos. Vem de longe em minha lembrança o que desde os meu primeiros dias de fé se dizia: "o mais importante do culto é a Palavra" ou "agora vamos ao mais importante: a Palavra". Todavia, as coisas têm mudado um bocado nos arraiais evangélicos. Há algum tempo a Palavra vem perdendo em importância, dando lugar ao  louvor demasiado e às muitas encenações de peças teatrais e apresentações de jograis. Confesso que algumas peças ou jograis têm um certo valor didático e cúltico, porém o exagero com que se faz e o intento para o qual foram idealizadas é digno de análise.

Até quando vamos mentir para nós mesmos com essa história de damos a primazia à Palavra em nossos cultos? Raríssimas exceções sejam feitas e entre elas, a igreja que congrego. Não se ouvem mais pregações do Evangelho como antes, pois para abrilhantar as festas, os que coordenam os eventos assumem compromissos com cantores de toda natureza e ritmos, conjuntos os mais diversos, grupos teatrais, jograis e (este ano de eleição), os políticos para dividirem a cena.

Não faz muito tempo fui em outra igreja evangélica para um Encontro de Corais. O culto deveria começar por volta de 19:30hs. Cheguei as 20:10hs, atrasado e preocupado, devido ao  trânsito e o rodízio de automóveis que se faz na capital paulista. O pastor daquela igreja estava internado em estado grave e seu auxiliar deixou-se dominar pela vaidade dos maestros.  Penso que contei quinze hinos daqueles corais, além dos hinos da querida Harpa Cristã no início. Passaram-me a palavra às 21:50hs. Tentando ser educado e polido, disse que não seria cansativo, que seria breve, que terminaria logo para que os irmãos pudessem chegar cedo em suas casas para descansarem. Falei apenas meia-hora. Entreguei o púlpito às 22:20hs. Para minha surpresa, aqueles coralistas entoaram ainda dois "belos" cânticos, fazendo com que o culto terminasse 22:40hs. Fiquei impressionado com a voracidade daqueles senhores com suas batutas e com a impotência do dirigente daquele culto.

Conheço relato de amigos meus, onde em suas igrejas não há mais espaço para a Palavra, literalmente falando. Dirigentes de congregações que cantam, cantam e cantam porque não têm o que dar para o povo. Outros oram, oram e oram  porque sabem que não têm inspiração de Deus para a Palavra e enganam o povo com uma suposta piedade de "fervor" espiritual.

Até onde iremos com esses jargões: "aqui  a palavra tem o primeiro lugar", "agora, vamos para o mais importante: a palavra" e "irmãos, um culto não pode ficar sem a palavra". Não é por acaso que muitas igrejas estão doentes com seus cultos vazios. Pregadores que não falam mais a Palavra e trocam a mensagem da cruz pela mensagem da chave, do carro, da casa ou do "ser cabeça". Não falam mais do valor da santificação ou da Vinda do Senhor Jesus, satisfazendo-se em agradar o povo com suas mensagens de cunho antropocêntricas: ocas, com ênfase acerca da graça barata ou fazendo apelos aos bolsos dos incautos que pensam que doando seu rico dinheirinho terão as consciências em paz com Deus. Evangelistas que não pregam sobre a realidade do pecado e por isso não convidam mais as pessoas para terem uma experiência de conversão genuína, convidando-as, porém, para mudar de vida, acabarem com o sofrimento a fim de serem vitoriosos e, assim, as igrejas incham de gente inconvertida. Nas cerimônias de batismos, milhares descem às águas, fomentando a vaidade explícita de que somos a igreja que mais cresce no mundo. Mas, quantos teriam ido à frente de nossos púlpitos, arrependidos de fato de seus pecados? Quantos teriam a consciência de que eram pecadores miseráveis e que Jesus os salvou da condenação do inferno? Quantos sabem que a santificação é condição "sine qua non" para se ver Deus? Quantos amam de fato o Senhor Deus e estão dispostos a padecerem perseguições por amor do seu Nome? Quantos entendem o valor da Cruz de Cristo para suas vidas e quantos têm consciência do convite à renuncia que o Evangelho apresenta? 

Não quero ser pessimista quanto ao futuro da igreja e nem bancar o "zé do apocalipse", mas não vejo solução a curto prazo. A tendência é, infelizmente, as coisas piorarem. Teremos mais festas com mais tempo para os louvores, para as encenações teatrais, para os jograis, para os políticos e para os movimentos pseudos-espirituais-(neo)pentecostais e menos tempo para a Palavra de Deus. Todavia, continuaremos dizendo que a Palavra tem a primazia.

A solução está em nós, pregadores do evangelho, pastores, professores de Escola Dominical, evangelistas e lideranças nas igrejas, assumirmos um compromisso sério, reagendando nossas programações, revendo o número de festas e de convidados e quiçá reavaliarmos a nossa liturgia para um novo  tempo. Não estou legislando em causa própria, pois amo o bom louvor na casa de Deus, porém defendo a prioridade das sagradas letras. Caberá a nós, que amamos a Palavra, fazermos a diferença com unção, abrirmos olhos de boa parte dos líderes para essa realidade e sermos o mais inteligíveis, concisos e convincentes possível. 


Maranata. Ora Vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

SETE FATORES QUE INCOMODAM UM PASTOR.

Resultado de imagem para PASTOR E MERCENÁRIO
Recebi esse texto por email de um novo amigo, o Jan Carlos de Souza, da Igreja Batista, mas a autoria é do pastor Paulo Saraiva, cujo blog e fonte está no rodapé. Apenas tomei a liberdade de fazer algumas pequeníssimas adaptações.

SETE FATOS QUE INCOMODAM UM PASTOR

Em dias como os nossos, o que poderiam mais incomodar alguém vocacionado para o ministério? Bem, muitos são os desafios a serem encontrados, mas existem pelo menos sete que saltam aos olhos.

1.    Observar que as pessoas não amadurecem. Pastores verdadeiramente chamados não esperam que as pessoas sejam eternamente dependentes, antes pelo contrario almejam que elas cresçam e que depois de um tempo sejam capazes de enfrentar e resolver alguns conflitos mínimos nas suas vidas sem ter que viver dependentes de gurus ou pseudo-mestres da espiritualidade.

2.    Verificar que (hoje em dia) qualquer um pode ostentar o titulo de Pastor. É profundamente frustrante saber que, em dias como os nossos, qualquer um pode ser nomeado ou denominado como pastor, não importando se obteve alguma formação, se foi experimentado, tanto nas práticas ministeriais como na arena dos desafios éticos.

3.    Constatar que o ministério (para muitos) virou um negócio. É muito triste para Pastores vocacionados saberem que o espaço social onde atuam, muitos agem com o interesse puramente mercadológico. Provoca ojeriza um Pastor verdadeiro saber que ele divide espaço na sociedade com pessoas que só tem um interesse: ganhar dinheiro.

4.    Descobrir que as ovelhas vivem encantadas pelos mercenários. Nada indigna mais um Pastor do que ouvir uma ovelha manifestar sua admiração por alguém que prega um falso evangelho, por dinheiro, por exemplo. É frustrante saber que via de regra, com algumas exceções alguns dos mais elogiados ministros dos nossos dias são conhecidos nos bastidores eclesiásticos por suas patifarias.

5.    Vislumbrar que manipulação vale mais que ensino. O dia mais triste na vida de um pastor é aquele em que ele descobre que não basta manusear bem uma Bíblia, mas que precisa dominar também as técnicas de manipulação de auditório.

6.    Deparar-se com o fato de que estruturas valem mais que cuidado. É muito desestimulante quando um Pastor, de maneira inexorável, se convence que os cuidados já foram de maneira sistemática negligenciados em favor da estrutura da instituição

7.    Enxergar o que é patente ultimamente: carisma vale mais que caráter. Compromisso, ética, postura, fidelidade, dedicação, acessibilidade, nenhum desses elementos importam para uma comunidade que tem como preocupação última, seguir alguém que tenha carisma, não importando quão duvidoso é o seu caráter.

Então por que permanecer Pastor em um ambiente como este? A justificativa para continuar nesta empreitada saiu dos lábios do Todo-Poderoso quando adverte aos mercenários e promete constituir bons pastores. ELE diz:
“…Vós dispersastes as minhas ovelhas, e as afugentastes, e delas não cuidastes; mas eu cuidarei em vos castigar a maldade das vossas ações, diz o SENHOR. Eu mesmo recolherei o restante das minhas ovelhas, de todas as terras para onde as tiver afugentado, e as farei voltar aos seus apriscos; serão fecundas e se multiplicarão. Levantarei sobre elas pastores que as apascentem, e elas jamais temerão, nem se espantarão; nem uma delas faltará, diz o SENHOR….” Jeremias 23.1-4

Se os mercenários se autoconstituíram para estarem a frente do rebanho, o mesmo não se pode falar a respeito dos fiéis Pastores, estes não estão por sua vontade, antes foram escolhidos pelo Sumo-Pastor. Afinal é ELE mesmo que diz:
“…Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda….” João 15.16
http://paulo-saraiva.blogspot.com/2011/04/sete-fatos-que-incomodam-um-pastor.html

Maranata. Ora Vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos.